Bispos moçambicanos condenam ataques à liberdade de expressão

Bispos moçambicanos condenam ataques à liberdade de expressão

O presidente da Comissão Episcopal de Justiça e Paz, que congrega bispos católicos de Moçambique, considerou hoje nefastos para a democracia os atentados à liberdade de expressão no país.

Maputo, 10 abr (Lusa) – O presidente da Comissão Episcopal de Justiça e Paz (CEJP), que congrega bispos católicos de Moçambique, considerou hoje nefastos para a democracia os atentados à liberdade de expressão no país.


Os ataques são “muito ruins para a democracia e impedem que as pessoas vivam livremente”, afirmou o presidente da CEJP, Luiz Fernando Lisboa, em conferência de imprensa, em Maputo, para apresentação de um ciclo de debates sobre dinâmicas sociais.


Aquele responsável repudiou o rapto e agressão, no dia 27 de março, do jornalista e comentador Ericino de Salema, assinalando que nenhum cidadão deve sofrer represálias por exercer direitos e liberdades fundamentais.


“A conferência episcopal, como o país inteiro, repudia aquele ato bárbaro. Nenhuma pessoa pode ser torturada por pensar diferente”, declarou Lisboa.


O presidente da CEJP sublinhou que as sociedades devem cultivar a diferença de opinião, diversidade que dá vitalidade à convivência social e à democracia.


“Nenhuma pessoa, nenhum partido, nenhum poder consegue unanimidade. O próprio Jesus não foi unânime. Ele incomodou no seu tempo, porque dizia a verdade e a verdade incomoda”, acrescentou.


Ericino de Salema era comentador do programa “Pontos de Vista”, espaço de comentário político do canal privado STV muito visto em Moçambique.


Apesar de a polícia afirmar que ainda está a investigar o crime e que não são conhecidas as motivações, organizações da sociedade civil associam o caso à violência perpetrada contra figuras que emitem posições críticas ao Governo e à Frente de Libertação de Moçambique (Frelimo), partido no poder.


Em 2015, o constitucionalista moçambicano de origem francesa Gilles Cistac foi mortalmente baleado na capital moçambicana e no ano seguinte o politólogo José Macuane sobreviveu após ter sido raptado e baleado numa altura em que também era comentador do “Pontos de Vista”.


Nenhum dos crimes foi esclarecido pelas autoridades.



PMA // VM

By Impala News / Lusa


RELACIONADOS

Bispos moçambicanos condenam ataques à liberdade de expressão

O presidente da Comissão Episcopal de Justiça e Paz, que congrega bispos católicos de Moçambique, considerou hoje nefastos para a democracia os atentados à liberdade de expressão no país.