Elevado número de bebés sem braços preocupa saúde pública

Elevado número de bebés sem braços preocupa saúde pública

Ainda não foram encontradas explicadas para os bebés serem dados à luz sem braços ou mãos em França. A situação é preocupante em algumas regiões.

A Agência de Saúde Pública de França confirmou num relatório publicado no passado sábado, 6 de outubro, que há um «excesso de casos» de bebés a nascer sem braços ou mãos. Todavia, o organismo ainda não refere motivos que poderão explicar o problema.

LEIA MAIS: Xixi de bebé pode curar rins de adultos

As malformações de bebés sem braços na região da Bretanha, e o Loire-Atlantique, no oeste de França, já tem num número a ultrapassar consideravelmente a média nacional. As autoridades dessas regiões continuam a investigar. Ainda assim, o estudo aborda malformações entre os anos de 2007 e 2014. Entre 2009 e 2014 nasceram sete bebés sem braços ou mãos em Duillat, na região de Ain.

«Eu chorei e o meu marido desmaiou», descreveu Mélanie Vitry ao canal de televisão France 2,  mãe de menino que deu à kuz, sem um braço, há oito anos. O caso continua a chocar a França.

De acordo com algumas análises, não foi detectado qualquer «exposição comum à ocorrência dessas malformações». A Agência de Saúde Pública continua atenta, apesar do protocolo ser bastante complexo.

Na ausência de uma história e de fatores claramente estabelecidos, surge a possibilidade da relação das grávidas com o meio ambiente.

Para  Emmanuelle Amar, especialista em epidemiologista,  há uma probabilidade considerável destas malformações terem sido causadas pela exposição de mães a produtos fitossanitários – como por exemplo pesticidas – durante a gravidez. «Estamos diante de um possível escândalo de saúde pública», disse a especialista ao canal France Info.

No entanto, ainda não há provas suficientes para confirmar a relação entre as deformidades e esse tipo de produtos por parte das autoridades de saúde francesas.

LEIA MAIS: Mãe grava vídeo de despedida antes de entregar o bebé para adoção [vídeo]


RELACIONADOS