Austrália pede desculpa ao povo do Afeganistão por mortes ilegais de civis

A Austrália admitiu que as forças especiais “mataram ilegalmente” pelo menos 39 civis e não combatentes afegãos e pediu desculpa ao povo do Afeganistão.

Austrália pede desculpa ao povo do Afeganistão por mortes ilegais de civis

Austrália pede desculpa ao povo do Afeganistão por mortes ilegais de civis

A Austrália admitiu que as forças especiais “mataram ilegalmente” pelo menos 39 civis e não combatentes afegãos e pediu desculpa ao povo do Afeganistão.

Camberra, 19 nov 2020 (Lusa) – O mais alto responsável militar australiano admitiu hoje que havia provas credíveis de que as forças especiais “mataram ilegalmente” pelo menos 39 civis e não combatentes afegãos e pediu desculpa ao povo do Afeganistão.

“Ao povo do Afeganistão, em nome das forças de defesa australiana, peço sinceras e sem reservas desculpas por qualquer ato ilícito dos soldados australianos”, disse o General Angus Campbell, numa declaração que surge após ter sido conhecida uma investigação sobre este assunto, que se arrastava há anos.

“Algumas patrulhas desrespeitaram a lei, as regras foram infringidas, as histórias inventadas, as mentiras contadas e os prisioneiros mortos”, acrescentou o chefe do exército australiano.

Os 25 membros das Forças Especiais acusados de má conduta em 23 incidentes deixaram uma “mancha” no seu regimento, nas forças armadas e na Austrália, acrescentou, recomendando a acusação por crimes de guerra.

“Este registo vergonhoso inclui alegados casos em que novos membros da patrulha foram forçados a disparar sobre um prisioneiro a fim de levar a cabo o seu primeiro homicídio, numa prática horrível”, observou também o General Campbell.

O militar também a revogação de algumas medalhas atribuídas a forças de operações especiais que serviram no Afeganistão entre 2007 e 2013.

Após os ataques terroristas de 11 de Setembro de 2001, mais de 26.000 soldados australianos foram enviados para o Afeganistão para lutar ao lado das forças norte-americanas e aliadas contra os Talibã, a Al-Qaeda e outros grupos extremistas islâmicos.

As tropas de combate australianas deixaram o país em 2013, mas desde então uma série de histórias frequentemente brutais têm surgido sobre a conduta de unidades das Forças Especiais de elite.

E desde então, os meios de comunicação australianos noticiaram uma série de acusações muito graves contra as forças australianas, tais como o caso de um homem alegadamente abatido para arranjar espaço num helicóptero, ou o caso de uma criança de seis anos morta durante uma rusga a uma casa.

JMC // JMC

By Impala News / Lusa

Impala Instagram


RELACIONADOS