Ativista em greve de fome, após violação em grupo e morte de jovem na Índia

Swati Maliwal exige a aplicação da pena de morte para os culpados de violação da jovem Jyoti Singh, conhecida como «Nirbhaya», um caso que chocou o país em 2012, pela brutalidade com que a agressão foi cometida e que causou a morte da jovem.

Ativista em greve de fome, após violação em grupo e morte de jovem na Índia

Ativista em greve de fome, após violação em grupo e morte de jovem na Índia

Swati Maliwal exige a aplicação da pena de morte para os culpados de violação da jovem Jyoti Singh, conhecida como «Nirbhaya», um caso que chocou o país em 2012, pela brutalidade com que a agressão foi cometida e que causou a morte da jovem.

A ativista e diretora da Comissão de Mulheres de Nova Deli, Índia, Swati Maliwal, iniciou esta terça-feira, 3 de dezembro, uma greve de fome para exigir mais severidade na punição de violadores, após a violação e assassínio na semana passada de uma jovem veterinária.

LEIA DEPOIS

Manifestações após violação em grupo e morte de jovem veterinária

Ativista exige que culpados sejam condenados a pena de morte

Entre as exigências de Maliwal está ainda a aplicação da pena de morte para os culpados de violação da jovem Jyoti Singh, conhecida como «Nirbhaya», um caso que chocou o país em 2012, pela brutalidade com que a agressão foi cometida e que causou a morte da jovem.

A ativista também solicitou a entrada de mais 66.000 novos agentes para a polícia de Nova Deli e o estabelecimento de tribunais rápidos em todo o país, 45 deles na capital indiana. «Só quando o Governo aceitar estas demandas, terminarei a minha greve de fome», indicou na rede social Twitter Swati Maliwal, que no ano passado conduziu uma ação semelhante durante dez dias, para exigir penas de morte contra os violadores de crianças.

Centenas de pessoas acompanharam ativista na concentração

Centenas de mulheres de diferentes idades acompanharam Maliwal na concentração, que ocorreu no centro da capital. Também na cidade de Bangalore, no sul do país, dezenas de estudantes reuniram-se para pedir a pena capital contra os violadores.

A Índia viveu na segunda-feira várias manifestações e debates no parlamento que exigiram o reforço das penas por violência sexual, após a violação em grupo e assassínio de uma jovem veterinária na semana passada.

Vítima foi violada, asfixiada e posteriormente queimada

A vítima, uma veterinária de 26 anos, foi enganada por quatro homens, que primeiro furaram as rodas da sua motocicleta e depois, enquanto fingiam ajudá-la a consertá-la, levaram-na à força para uma habitação onde sofreu uma violação em grupo e, em seguida, foi asfixiada, tendo posteriormente o seu corpo sido regado com gasolina e queimado.

Leis contra agressões sexuais endureceram na Índia após uma jovem morrer às mãos de seis homens

As manifestações também ocorreram em outras cidades da Índia, como Calcutá ou Hyderabad. As leis contra agressões sexuais endureceram na Índia, depois do caso de Jyoti Singh, uma jovem estudante universitária que morreu após ser violada e torturada por seis homens num autocarro, em Nova Deli, em 2012.

Entretanto, este endurecimento da lei não evitou que outros casos continuem a acontecer no país.

Lusa

LEIA MAIS

Encontrado homem que estava desaparecido há 13 dias no deserto da Austrália

Impala Instagram


RELACIONADOS