Antigo comandante da PSP detido por violência doméstica

Ex-comandante da PSP da Feira, hoje advogado, de 67 anos, e já com cadastro por violência doméstica foi detido após ter perseguido e ameaçado a antiga companheira.

Antigo comandante da PSP detido por violência doméstica

Antigo comandante da PSP detido por violência doméstica

Ex-comandante da PSP da Feira, hoje advogado, de 67 anos, e já com cadastro por violência doméstica foi detido após ter perseguido e ameaçado a antiga companheira.

Um ex-comandante da PSP da Feira, hoje advogado, de 67 anos, já condenado por violência doméstica, foi detido na manhã desta quinta-feira, 6 de maio, após alegadas ameaças e perseguição à ex-companheira. Enfrenta novo processo judicial pelo mesmo tipo de crime. A PSP cumpriu um mandado de detenção por violência doméstica emitido pelo Ministério Público (MP) de Santa Maria da Feira.

Na passada sexta-feira, o arguido terá perseguido e ameaçado a ex-companheira, com quem viveu cerca de 20 anos e teve dois filhos, um dos quais é menor. A vítima queixou-se de que o homem atravessou o carro à frente do seu, por duas vezes, uma das quais em plena Estrada Nacional 109, perseguindo-a até à Feira, onde terá proferido várias ameaças e injúrias. Ouvido pela juíza de instrução, o ex-polícia ficou proibido de se aproximar da vítima e de a contactar por qualquer modo, sendo controlado por uma pulseira eletrónica.

Também não poderá adquirir ou usar armas. O ex-comandante da PSP já tinha sido condenado, em 2015, a uma pena de três anos de prisão, com pena suspensa, por violência doméstica sobre a mesma vítima. Nessa sentença, foi determinado pelos juízes o pagamento de uma indemnização de quatro mil euros à ofendida, pelo arguido, e a obrigação de se manter afastado dela.

Arguido ameaçou patrulha da GNR

Mais recentemente, em fevereiro de 2018 e no âmbito de outro processo, o agressor foi indiciado por vários crimes após ter entrado na propriedade da ex-companheira sem sua autorização. Segundo a acusação, apertou os braços da mulher com força e, aquando da chegada das autoridades, ameaçou a patrulha. O arguido está ainda acusado de ter ameaçado recorrer a alegados amigos no Ministério Público para prejudicar um dos militares da GNR que estiveram presentes na ocorrência.

Acabaria, por isso, indiciado por um crime de resistência e coação sobre funcionário, dois crimes de ofensa à integridade física e um de injúria agravada. Tal como escreve o JN, o caso será julgado em breve no Tribunal da Feira.

LEIA AINDA
Criança de dois anos morre esquecida no carro da mãe
Criança de dois anos morre esquecida no carro da mãe
Bebé terá ficado esquecida no carro durante 7 horas. INEM tentou reanimá-la durante 30 minutos, mas sem sucesso. (… continue a ler aqui)

Impala Instagram


RELACIONADOS