Aluno suspeito de agredir colega em Campo Maior suspenso e com processo disciplinar

A rapariga continua hospitalizada em Lisboa.

Aluno suspeito de agredir colega em Campo Maior suspenso e com processo disciplinar

Aluno suspeito de agredir colega em Campo Maior suspenso e com processo disciplinar

A rapariga continua hospitalizada em Lisboa.

 

O aluno de 16 anos suspeito de agredir uma colega na Escola Secundária de Campo Maior (Portalegre) foi suspenso durante dez dias e alvo de um processo disciplinar, disse esta quinta-feira, 7 de novembro, à agência Lusa fonte do Ministério da Educação.

LEIA DEPOIS
Marcelo Rebelo de Sousa agradece pessoalmente a sem-abrigo que salvou recém-nascido

A rapariga, também de 16 anos, foi agredida na terça-feira, 5 de novembro, à tarde no recinto escolar e está hospitalizada em Lisboa. «O aluno suspeito de agressão foi de imediato suspenso preventivamente, durante dez dias, e foi-lhe instaurado um processo disciplinar», indicou o Ministério da Educação (ME), em resposta à Lusa. A aluna agredida, segundo o ME, continua internada no Hospital de Santa Maria, em Lisboa, com um «quadro clínico estabilizado».

Indicando que o caso está entregue às autoridades, a tutela refere que os seus serviços «estão em contacto permanente com a escola, tendo disponibilizado o apoio necessário».

Ministério da Educação «repudia veemente todas as formas de violência»

«O Ministério da Educação repudia veementemente todas as formas de violência, em particular em amnte escolar, e convida todos os encarregados de educação para uma atitude proativa de prevenção de comportamentos violentos e de desrespeito», lê-se na nota enviada à Lusa.

Após a agressão, a rapariga foi transportada para o hospital de Portalegre, onde deu entrada no serviço de urgências «em estado considerado grave», segundo disse à Lusa, na quarta-feira, o porta-voz da Unidade Local de Saúde do Norte Alentejano (ULSNA), Ilídio Pinto Cardoso.

«A jovem deu entrada nas urgências do Hospital José Maria Grande, em Portalegre, foi avaliada e estabilizada pela equipa pediátrica. Porque precisava de cuidados diferenciados, nomeadamente devido a traumatismos maxilofaciais, foi transferida para o Hospital de Santa Maria, em Lisboa», disse.

Fonte da GNR referiu à Lusa, na quarta-feira, que a vítima e o alegado agressor foram identificados, tendo sido também elaborado um auto de notícia.

LEIA MAIS
Previsão do tempo para sexta-feira, 8 de novembro

Impala Instagram


RELACIONADOS