Açores/Sismos: Crise em S. Jorge continua acima do normal com 11 abalos sentidos nas últimas horas

A atividade sísmica na ilha de São Jorge, nos Açores, “continua acima do normal” e nas últimas horas “foram sentidos 11 sismos”, informou hoje o Centro de Informação e Vigilância Sismovulcânica dos Açores (CIVISA).

Açores/Sismos: Crise em S. Jorge continua acima do normal com 11 abalos sentidos nas últimas horas

Açores/Sismos: Crise em S. Jorge continua acima do normal com 11 abalos sentidos nas últimas horas

A atividade sísmica na ilha de São Jorge, nos Açores, “continua acima do normal” e nas últimas horas “foram sentidos 11 sismos”, informou hoje o Centro de Informação e Vigilância Sismovulcânica dos Açores (CIVISA).

Crise em São Jorge, Açores, continua “acima do normal” com 11 abalos sentidos nas últimas horas. Num comunicado, para ponto da situação às 10:00 locais (11:00 em Lisboa), o CIVISA adianta que atividade sísmica que se tem vindo a registar desde as 16:05 locais de sábado “na parte central da ilha de São Jorge”, num setor compreendido “entre Velas e Fajã do Ouvidor, continua acima do normal”. “O sismo mais energético ocorreu no dia 19 de março, às 18:41 local” (19:41 em Lisboa) e teve “magnitude 3,3 na escala de Richter”, lê-se no comunicado.

Pode interessar-lhe ler ainda
Covid-19: Conheça o dia em que o uso de máscara em espaços interiores deixa de ser obrigatório (… continue a ler aqui)

O CIVISA refere ainda que “vários sismos têm sido sentidos pela população”. Entre as 22:00 locais de quarta-feira e as 10:00 locais de hoje “foram sentidos 11 sismos”, revela ainda o CIVISA, referindo que “continua a acompanhar o evoluir da situação”.

De acordo com a escala de Richter, os sismos são classificados segundo a sua magnitude como micro (menos de 2,0), muito pequenos (2,0-2,9), pequenos (3,0-3,9), ligeiros (4,0-4,9), moderados (5,0-5,9), forte (6,0-6,9), grandes (7,0-7,9), importantes (8,0-8,9), excecionais (9,0-9,9) e extremos (quando superior a 10).

Governo açoriano pede à população para abandonar as casas nas zonas críticas

A escala de Mercalli modificada, segundo o site do IPMA, divide-se em doze categorias: I — impercetível, II — muito fraco, III — fraco, IV — moderado, V — forte, VI — bastante forte, VII — muito forte, VIII — ruinoso, IX — desastroso, X — destruidor, XI — catastrófico, XII — danos quase totais.

Na quarta-feira, o Centro de Informação e Vigilância Sismovulcânica dos Açores (CIVISA) elevou o nível de alerta vulcânico na ilha de São Jorge para V4 (de um total de cinco), o que significa “possibilidade real de erupção”.

“Hoje, às 15:30 [16:30 em Lisboa], foi comunicada a subida para o nível V4 de alerta vulcânico, o que significa possibilidade real de erupção”, afirmou na quarta-feira o secretário regional da Saúde dos Açores, Clélio Meneses, que tutela a Proteção Civil, numa conferência de imprensa, em Angra do Heroísmo, na ilha Terceira.

Perante este cenário, o executivo açoriano recomendou à população com maiores vulnerabilidades da principal zona afetada na ilha de São Jorge que abandone as suas casas. “O que se aconselha às pessoas que vivem entre as Velas e a Fajã das Almas é que façam uma deslocação das suas residências, sobretudo pessoas com mobilidade reduzida, pessoas dependentes de terceiros para as suas atividades básicas, pessoas residentes em edifícios sem garantias de segurança antissísmica e residentes em zonas próximas de vertentes ou falésias de particular perigosidade de deslizamento ou desabamento, como são as fajãs”, afirmou o governante na altura.

Também na quarta-feira a Proteção Civil dos Açores ativou o Plano Regional de Emergência devido à elevada atividade sísmica que se regista em São Jorge desde sábado. Os planos de emergência municipais dos dois concelhos de São Jorge, Calheta e Velas, também já foram ativados.

Impala Instagram


RELACIONADOS