Portugal deve afirmar a sua liderança na CPLP perante a China, diz Carlos Melancia

Trinta e dois anos exatos após a declaração conjunta entre Portugal e a China para a transferência de Macau, o ex-governador do território Carlos Melancia defende que Lisboa deve afirmar junto de Pequim a sua liderança da CPLP.

Portugal deve afirmar a sua liderança na CPLP perante a China, diz Carlos Melancia

Portugal deve afirmar a sua liderança na CPLP perante a China, diz Carlos Melancia

Trinta e dois anos exatos após a declaração conjunta entre Portugal e a China para a transferência de Macau, o ex-governador do território Carlos Melancia defende que Lisboa deve afirmar junto de Pequim a sua liderança da CPLP.

Em entrevista à Lusa, Carlos Melancia admitiu que a proximidade de Portugal a Macau “nunca foi suficiente e hoje está pior do que esteve no passado”.

A 13 de abril de 1987, Lisboa e Pequim assinaram a Declaração Conjunta Sino-Portuguesa sobre a Questão de Macau, que previa um 1999 como a data da transferência da administração do território.

Hoje, 32 anos depois da declaração e 20 anos após a transferência da administração, Melancia admite que Portugal mantém Macau no esquecimento político.

“Portugal tem vindo a desprezar a potencialidade” que a sua ainda presença em Macau representa, num contexto em que Pequim quer transformar o território numa plataforma de ligação aos países de Língua Portuguesa, disse em entrevista à Lusa o antigo governador de Macau Carlos Melancia.

“Teoricamente quem lidera esse processo da CPLP [Comunidade dos Países de Língua Portuguesa], na minha perspetiva é mais Macau e a China, por detrás de Macau, em termos formais, do que Portugal em termos objetivos. Claro que de vez em quando acabamos por fazer coisas”, afirmou.

“Na prática o que quero dizer é que a sede da CPLP está em Macau”, graças ao peso de que a China tem nos vários países da organização.

Para o antigo governador, Portugal tem de afirmar a sua presença diplomática em Macau “para dar um ar de que lidera a potencialidade que a China reconhece que existe” na CPLP, defendeu.

Pequim olha para a CPLP como um património de origem portuguesa” e Lisboa deve afirmar essa autoridade natural, disse, recordando que a “China é dos poucos países do mundo capaz de racionar a cinquenta anos”.

Por isso, “a China olha para os portugueses como os senhores que têm ‘know how’, tem a Torre do Tombo e institutos e pessoas que têm conhecimento dos recursos mineiros de Angola e outros” países, salientou.

Neste contexto, Portugal deve tirar partido disso, defendeu. “Se é a China que de facto bate palmas em relação à existência da CPLP, nós temos que fazer um esforço para mostrar que, de facto, tem razão para o fazer e que de facto nós temos conhecimentos suficientes para ajudar a essa ligação e tirar partido disso”, reafirmou.

Carlos Melancia lembrou ainda que a expansão que o português tem tido nos últimos anos na China tem a ver com a relação de Portugal com os países lusófonos.

ATR // PJA

By Impala News / Lusa

Impala Instagram


RELACIONADOS