Zelensky discutiu entrega de “armas pesadas” e entrada na UE com Macron

O Presidente ucraniano, Volodymyr Zelensky, e seu o homólogo francês, Emmanuel Macron, discutiram hoje a ajuda militar da França à Ucrânia, incluindo a entrega de “armas pesadas”, e a candidatura de Kiev à União Europeia.

Zelensky discutiu entrega de

Zelensky discutiu entrega de “armas pesadas” e entrada na UE com Macron

O Presidente ucraniano, Volodymyr Zelensky, e seu o homólogo francês, Emmanuel Macron, discutiram hoje a ajuda militar da França à Ucrânia, incluindo a entrega de “armas pesadas”, e a candidatura de Kiev à União Europeia.

Zelesnky divulgou na rede social Twitter que informou Macron sobre a “situação na frente” de combate contra as forças russas.

“Discutimos outras ajudas militares para a Ucrânia e foi dada especial atenção aos meios de adesão da Ucrânia à UE”, acrescentou o chefe de Estado ucraniano.

Já Paris confirmou a conversa telefónica entre os dois presidentes através de um comunicado, explicando que Emmanuel Macron “questionou o Presidente Zelensky sobre os últimos desenvolvimentos no terreno, bem como suas necessidades em termos de equipamento militar, apoio político, apoio financeiro e ajuda humanitária”.

O Presidente francês garantiu ao seu homólogo ucraniano que “a França permanecerá mobilizada para atender às necessidades da Ucrânia, incluindo armas pesadas”.

Os dois governantes “acordaram manter-se em contacto”, em concreto “tendo em vista o parecer de que a Comissão Europeia dará seguimento à candidatura da Ucrânia à adesão à União Europeia, e a discussão que se seguirá no Conselho Europeu de 23 e 24 de junho”.

A conversa entre os chefes de Estado ocorre após um novo pedido de Macron para “não humilhar a Rússia”, o que originou críticas de Kiev a Paris.

Macron, que preside ao país que ocupa a presidência rotativa da UE até 01 de julho, está sob pressão da Ucrânia, que aguarda a sua visita desde o início da ofensiva russa.

A Rússia lançou na madrugada de 24 de fevereiro uma ofensiva militar na Ucrânia que causou já a fuga de mais de 15 milhões de pessoas de suas casas — mais de oito milhões de deslocados internos e mais de 7,2 milhões para os países vizinhos -, de acordo com os mais recentes dados da ONU, que classifica esta crise de refugiados como a pior na Europa desde a Segunda Guerra Mundial (1939-1945).

Também segundo as Nações Unidas, cerca de 15 milhões de pessoas necessitam de assistência humanitária na Ucrânia.

A invasão russa — justificada pelo Presidente russo, Vladimir Putin, com a necessidade de “desnazificar” e desmilitarizar a Ucrânia para segurança da Rússia – foi condenada pela generalidade da comunidade internacional, que respondeu com o envio de armamento para a Ucrânia e a imposição à Rússia de sanções que atingem praticamente todos os setores, da banca ao desporto.

A ONU confirmou que 4.302 civis morreram e 5.217 ficaram feridos na guerra, que hoje entrou no seu 106.º dia, sublinhando que os números reais poderão ser muito superiores e só serão conhecidos quando houver acesso a zonas cercadas ou sob intensos combates.

DMC //

By Impala News / Lusa

Impala Instagram


RELACIONADOS