Washington denuncia “parceria militar em larga escala” entre Rússia e Irão

A presidência norte-americana (Casa Branca) denunciou hoje o reforço de uma “parceria militar em larga escala” entre Moscovo e Teerão, que em breve poderá permitir aos dois países fabricarem conjuntamente ‘drones’.

Washington denuncia

Washington denuncia “parceria militar em larga escala” entre Rússia e Irão

A presidência norte-americana (Casa Branca) denunciou hoje o reforço de uma “parceria militar em larga escala” entre Moscovo e Teerão, que em breve poderá permitir aos dois países fabricarem conjuntamente ‘drones’.

Numa altura em que o Irão já fornece ao Exército russo ‘drones’ (aeronaves não-tripuladas) para uso na Ucrânia, John Kirby, porta-voz do Conselho de Segurança Nacional do executivo norte-americano, realçou que, em troca, a Rússia “ofereceu ao Irão um nível sem precedentes de apoio militar e técnico” e que este relacionamento está a transformar-se numa “parceria de defesa completa”.

O porta-voz do Conselho de Segurança Nacional dos EUA vincou ainda que este desenvolvimento é “prejudicial” para a Ucrânia, para os países vizinhos do Irão e para “a comunidade internacional”.

Segundo os serviços de informação norte-americanos, Moscovo e Teerão planeiam em particular lançar a produção conjunta de ‘drones suicidas’ na Rússia, acrescentou John Kirby, sem dar mais detalhes sobre o andamento deste projeto.

O Irão pondera também vender “centenas” de mísseis balísticos à Rússia, referiu, insistindo numa informação que os norte-americanos já tinham tornado pública.

Moscovo está a preparar-se ainda, segundo Washington, para fornecer ao Irão equipamentos “sofisticados”, como helicópteros, sistemas de defesa antiaérea e aeronaves de combate, disse John Kirby.

Referindo-se aos relatos de que os pilotos iranianos começaram a treinar na Rússia nos caças russos Su-35, Kirby apontou que “o Irão pode receber os aviões [de combate] no próximo ano”, o que “aumentaria significativamente” as capacidades aéreas de Teerão.

A embaixadora do Reino Unido nas Nações Unidas, Barbara Woodward, também emitiu uma declaração a acusar Teerão e Moscovo: “A Rússia nega esses planos. Mas eles também negaram que iriam invadir a Ucrânia, então não acreditamos neles”.

Já o Ministério dos Negócios Estrangeiros britânico, por sua vez, denunciou as “transações sórdidas” entre Moscovo e Teerão.

John Kirby destacou ainda que Washington espera que o Irão “mude de rumo”, assegurando que utilizará “todos os meios à disposição para expor e interromper estas atividades”.

O porta-voz do Conselho de Segurança Nacional adiantou que os Estados Unidos vão sancionar “três entidades com sede na Rússia” particularmente ativas na “aquisição e uso de ‘drones’ iranianos”.

Os Estados Unidos estão também a considerar “outras medidas de controlo de exportação”, alegadamente para “restringir o acesso do Irão a tecnologias sensíveis”.

Estas acusações dos EUA e do Reino Unido surgem horas antes de uma nova reunião do Conselho de Segurança da ONU sobre a Ucrânia, centrada na questão do fornecimento de armas para ambos os lados.

A ofensiva militar da Rússia na Ucrânia foi lançada a 24 de fevereiro e justificada por Vladimir Putin com a necessidade de “desnazificar” e desmilitarizar a Ucrânia para segurança da Rússia.

A invasão foi condenada pela generalidade da comunidade internacional, que tem respondido com envio de armamento para a Ucrânia e imposição à Rússia de sanções políticas e económicas.

A ONU apresentou como confirmados desde o início da guerra 6.702 civis mortos e 10.479 feridos, sublinhando que estes números estão muito aquém dos reais.

DMC // PDF

By Impala News / Lusa

Impala Instagram


RELACIONADOS