Vão ser precisos 695 kwanzas para comprar um dólar em 2021

A consultora Fitch Solutions considerou hoje que a moeda de Angola vai continuar a desvalorizar-se, com um dólar a valer 680 kwanzas em 2020 e a serem precisos 695 kwanzas por dólar no final de 2021.

Vão ser precisos 695 kwanzas para comprar um dólar em 2021

Vão ser precisos 695 kwanzas para comprar um dólar em 2021

A consultora Fitch Solutions considerou hoje que a moeda de Angola vai continuar a desvalorizar-se, com um dólar a valer 680 kwanzas em 2020 e a serem precisos 695 kwanzas por dólar no final de 2021.

“Na Fitch Solutions, antecipamos que o kwanza de Angola vá depreciar-se ainda mais, para 680 kwanzas por dólar no final deste ano, com a queda das exportações de petróleo a reduzirem a procura pela moeda”, lê-se numa análise à política monetária angolana.

No documento, enviado aos investidores e a que a Lusa teve acesso, os analistas desta consultora, detida pelos mesmos donos da agência de notação financeira Fitch Ratings, escrevem que a depreciação vai abrandar nos próximos trimestres, chegando ao final de 2021 com um dólar a valer 695 kwanzas.

“Apesar de um ligeiro aumento nas exportações e no apetite global pelo risco irem aliviar as pressões sobre o kwanza, os receios dos investidores sobre a frágil posição financeiras e as taxas reais pouco atrativas vão manter a moeda numa trajetória descendente”, escrevem os analistas.

Desde o início do ano, o kwanza perdeu mais de um quarto do seu valor face ao dólar e deverá continuar a quebrar face à moeda norte-americana em 2021.

“Acreditamos que dois fatores vão fazer com que o kwanza continue a perder valor a longo prazo; primeiro, a pandemia de covid-19 exacerbou as pressões orçamentais, com o Governo a ser forçado a negociar até 6,2 mil milhões de dólares em alívio de dívida dos credores oficiais”, apontam os analistas.

A dívida pública, estimam, deverá subir de 100,7% em 2019 para 116,4% este ano, “o que provavelmente vai manter os investidores preocupados com a frágil posição orçamental do país nos próximos trimestres”.

Em segundo lugar, concluem, a inflação deverá abrandar moderadamente face à média de 21,9% que deverá registar este ano, mas deverá manter-se elevada, ficando nos 18% em 2021.

“Isto vai continuar a anular o diferencial nas taxas reais com os Estados Unidos, particularmente porque esperamos um corte de 50 pontos base na política monetária do Banco Nacional de Angola em 2021, o que vai garantir que o kwanza se deprecie ainda mais”, concluem os analistas.

Nas mais recentes previsões sobre a evolução das economias africanas, o Fundo Monetário Internacional (FMI) previu que Angola enfrenta uma recessão de 4% este ano, recuperando para um crescimento de 3,2% em 2021, e prevendo que a dívida pública fique nos 120,3% este ano, abrandando para 107,5% do PIB no próximo ano.

MBA // JH

By Impala News / Lusa

Impala Instagram


RELACIONADOS