TAP: Razão para saída de Alexandra Reis foi divergência na execução do plano de reestruturação

A presidente executiva da TAP, Christine Oumières-Widener, garantiu hoje, no parlamento, que a “única razão” para a saída de Alexandra Reis do Conselho de Administração foram “divergências na execução do plano de reestruturação”.

TAP: Razão para saída de Alexandra Reis foi divergência na execução do plano de reestruturação

TAP: Razão para saída de Alexandra Reis foi divergência na execução do plano de reestruturação

A presidente executiva da TAP, Christine Oumières-Widener, garantiu hoje, no parlamento, que a “única razão” para a saída de Alexandra Reis do Conselho de Administração foram “divergências na execução do plano de reestruturação”.

A presidente executiva da TAP, Christine Oumières-Widener, garantiu hoje, no parlamento, que a “única razão” para a saída de Alexandra Reis do Conselho de Administração foram “divergências na execução do plano de reestruturação”. “Havia divergências na implementação do plano de reestruturação. Na equipa executiva, é crucial haver um alinhamento relativamente à implementação do plano. Essa foi a única razão para a saída de Alexandra Reis da companhia aérea”, disse a presidente executiva da TAP.

Christine Ourmières-Widener deu o exemplo da decisão de aumentar a oferta para 2022 como um dos pontos de divergência, adiantando que foi “uma discussão muito difícil”.

A presidente executiva da TAP, Christine Ourmières-Widener, está hoje a ser ouvida no parlamento, na Comissão de Economia, Obras Públicas, Planeamento e Habitação, para explicações sobre a indemnização de 500.000 euros à antiga administradora Alexandra Reis, que foi também presidente da NAV e secretária de Estado.

A audição da responsável da companhia aérea acontece na sequência do requerimento de caráter obrigatório do Chega, depois de o grupo parlamentar do PS ter rejeitado a proposta de audição num primeiro momento.

O caso da indemnização de meio milhão de euros paga à antiga secretária de Estado Alexandra Reis, pela saída antecipada da administração da TAP, levou à demissão do ex-ministro das Infraestruturas e da Habitação, Pedro Nuno Santos, e a uma remodelação no Governo.

Questionada pelo deputado do Chega André Ventura sobre com quem do Governo foi discutida a indemnização a Alexandra Reis, a responsável da transportadora disse que esteve em contacto, “desde o início”, com o então secretário de Estado das Infraestruturas, Hugo Mendes.

“Eu obtive a aprovação através do secretário de Estado das Infraestruturas. […] Eu assumi, tendo em conta a forma como trabalhamos em conjunto, que o acordo [para a indemnização] com o secretário de Estado foi feito com a concordância do Ministério das Finanças”, realçou Christine Ourmières-Widener.

Questionada ainda sobre a eventual existência de outros casos semelhantes ao de Alexandra Reis, a responsável disse não ter conhecimento de outras saídas da companhia com indemnizações avultadas, apenas de uma indemnização ao seu antecessor, Antonoaldo Neves, quando a TAP tinha gestão privada.

Para ler depois
Descobertos novos indícios para prever erupções solares que podem afetar comunicações
Cientistas descobriram novos indícios que podem ajudar a prever quando e onde poderá ocorrer a próxima erupção solar, fenómeno que pode comprometer a segurança dos astronautas no espaço, interromper comunicações e provocar apagões elétricos (…continue a ler aqui)

 

Impala Instagram


RELACIONADOS