UE sanciona Bielorrússia e formaliza 6.º pacote de sanções à Rússia

O Conselho da União Europeia (UE) decidiu hoje impor novas sanções à Bielorrússia e formalizou o sexto pacote sancionatório a Moscovo, no âmbito da invasão da Ucrânia pela Rússia, há 100 dias.

UE sanciona Bielorrússia e formaliza 6.º pacote de sanções à Rússia

UE sanciona Bielorrússia e formaliza 6.º pacote de sanções à Rússia

O Conselho da União Europeia (UE) decidiu hoje impor novas sanções à Bielorrússia e formalizou o sexto pacote sancionatório a Moscovo, no âmbito da invasão da Ucrânia pela Rússia, há 100 dias.

No que respeita à Bielorrússia, foi decidido impor sanções a mais 12 indivíduos e oito entidades por violação dos direitos humanos e contínua repressão interna, que acrescem às já adotadas pelo envolvimento de Minsk na guerra da Rússia contra a Ucrânia. Segundo um comunicado do Conselho, a UE decidiu ainda sujeitar mais 65 indivíduos e 18 entidades russas às sanções impostas ao país em resposta à “contínua agressão militar injustificada e não provocada da Rússia contra a Ucrânia e outras ações que minam ou ameaçam a integridade territorial, a soberania e a independência da Ucrânia”.

Para ler também
Bielorrússia diz-se disponível para enviar leite infantil para os EUA
O Presidente da Bielorrússia, Alexander Lukashenko, alvo de sanções norte-americanas, disse hoje estar disponível para enviar leite infantil para os Estados Unidos da América (EUA), que estão com escassez de leite em pó para bebés há meses (… continue a ler aqui)

Esta decisão integra o sexto pacote de sanções à Rússia, hoje formalizado, após a Hungria ter exigido a retirada do patriarca ortodoxo russo Cirilo da lista de pessoas a serem sancionadas. Na lista de medidas restritivas da UE estão já 1.158 indivíduos e 98 entidades, sujeitos a congelamento de bens e, no caso das pessoas, interditos de entrar no espaço comunitário, sendo ainda proibida a disponibilização de fundos aos sancionados.

A Rússia lançou na madrugada de 24 de fevereiro uma ofensiva militar na Ucrânia que causou já a fuga de mais de 14 milhões de pessoas de suas casas – mais de oito milhões de deslocados internos e mais de 6,8 milhões para os países vizinhos –, de acordo com os mais recentes dados da ONU, que classifica esta crise de refugiados como a pior na Europa desde a Segunda Guerra Mundial (1939-1945). Também segundo as Nações Unidas, cerca de 15 milhões de pessoas necessitam de assistência humanitária na Ucrânia.

A invasão russa – justificada pelo Presidente russo, Vladimir Putin, com a necessidade de “desnazificar” e desmilitarizar a Ucrânia para segurança da Rússia – foi condenada pela generalidade da comunidade internacional, que respondeu com o envio de armamento para a Ucrânia e a imposição à Rússia de sanções que atingem praticamente todos os setores, da banca ao desporto.

Impala Instagram


RELACIONADOS