UE reclama libertação dos detidos de Tiananmen e lamenta silêncio de Pequim

A União Europeia reclamou hoje a libertação das pessoas detidas há 30 anos durante “os protestos pacíficos pela democracia” na Praça de Tiananmen, em Pequim, e lamentou o silêncio das autoridades chinesas sobre os acontecimentos de 1989.

UE reclama libertação dos detidos de Tiananmen e lamenta silêncio de Pequim

UE reclama libertação dos detidos de Tiananmen e lamenta silêncio de Pequim

A União Europeia reclamou hoje a libertação das pessoas detidas há 30 anos durante “os protestos pacíficos pela democracia” na Praça de Tiananmen, em Pequim, e lamentou o silêncio das autoridades chinesas sobre os acontecimentos de 1989.

Em comunicado, a Alta Representante da UE para a Política Externa sublinha que “os números exatos daqueles que morreram e foram detidos em 04 de junho (de 1989) e na repressão que se seguiu nunca foram confirmados e poderão nunca vir a ser conhecidos”, lamentando que, ainda hoje, Pequim não reconheça os acontecimentos de há 30 anos.

“O reconhecimento desses eventos e dos mortos, detidos ou desaparecidos em ligação com os protestos de Tiananmen é importante para as gerações futuras e para a memória coletiva”, sustenta Federica Mogherini no comunicado hoje divulgado em Bruxelas, por ocasião do 30.º aniversário da repressão sangrenta dos protestos de Tiananmen, em Pequim.

Mogherini aponta que “a UE espera a libertação imediata dos defensores dos direitos humanos e advogados detidos ou condenados por ligações a esses eventos ou às suas atividades em defesa do estado de direito e democracia, incluindo Huang Qi, Gao Zhisheng, Ge Jueping, o pastor Wang Yi, Xu Lin e Chen Jiahong”.

“Continuamos hoje a assistir a uma repressão da liberdade de expressão e de associação e da liberdade de imprensa na China”, observa a chefe de diplomacia europeia.

Lembrando que “os direitos humanos são universais, indivisíveis e interdependentes” e que “as leis e padrões internacionais contemplam o respeito das liberdades fundamentais”, a Alta Representante termina advertindo que o compromisso com os direitos humanos “é e continuará a ser um pilar fundamental” da parceria estratégica UE-China.

Na noite de 03 para 04 de junho de 1989, os tanques do exército chinês irromperam pela Praça Tiananmen e acabaram com sete semanas de protestos pró-democracia, liderados por estudantes.

Os protestos ganharam força durante maio de 1989, pouco após a morte do líder reformista Hu Yaobang, que dividiu a hierarquia do Partido Comunista (PCC) em fações.

A repressão sangrenta destes protestos, que poderá ter feito centenas ou até mesmo mais de mil mortos, continua a ser um assunto tabu na China.

ACC (SCA) // FPA

By Impala News / Lusa

Impala Instagram


RELACIONADOS