UE condena “veementemente” ataque russo ao porto de Odessa

A União Europeia (UE) condenou hoje “veementemente” o ataque russo ao porto ucraniano de Odessa, um dia após o acordo assinado para a retoma das exportações de cereais bloqueadas pela guerra.

UE condena

UE condena “veementemente” ataque russo ao porto de Odessa

A União Europeia (UE) condenou hoje “veementemente” o ataque russo ao porto ucraniano de Odessa, um dia após o acordo assinado para a retoma das exportações de cereais bloqueadas pela guerra.

“A UE condena veementemente o ataque com mísseis russos ao porto de Odessa. Atingir um alvo crucial para as exportações de cereais, um dia após a assinatura dos acordos de Istambul, é particularmente repreensível”, escreveu o Alto-Representante da União Europeia (UE) para os Negócios Estrangeiros e a Política de Segurança, Josep Borrell, no seu perfil no Twitter.

Segundo frisou, este ataque demonstra, “mais uma vez, o total desrespeito da Rússia pelas leis e pelos compromissos internacionais”.

A embaixadora dos EUA na Ucrânia, Bridget Brink, também usou a conta Twitter para condenar este ataque “intolerável”.

“A Rússia ataca a cidade portuária de Odessa menos de 24 horas depois de assinar um acordo para permitir exportações agrícolas. O Kremlin continua a usar alimentos como armas. A Rússia deve ser responsabilizada”, escreveu.

As autoridades ucranianas relataram hoje um ataque russo ao porto comercial de Odessa, um ponto-chave para a exportação de cereais pelo Mar Negro.

“O inimigo atacou o porto marítimo comercial com mísseis de cruzeiro Kalibr. Dois mísseis foram intercetados pelas defesas ucranianas, enquanto dois atingiram a infraestrutura do porto”, informaram fontes ucranianas de Odessa, citadas pelo portal Ukrinform, de Kiev.

Entretanto, o Governo ucraniano acusou a Rússia de “cuspir na cara” da ONU e da Turquia com este ataque.

Num comunicado citado pelo mesmo portal, o porta-voz do Ministério dos Negócios Estrangeiros da Ucrânia afirma que a Rússia deve assumir “toda a responsabilidade” se o acordo alcançado na sexta-feira em Istambul, entre Kiev e Moscovo, for quebrado.

Segundo o mesmo portal, o Ministério da Política Agrária da Ucrânia informou que estavam a ser preparados, naquele porto, cereais para a exportação.

“Não vamos dar números porque o Ministério da Infraestrutura é o responsável. Aguardávamos até amanhã o primeiro embarque”, indicou o ministério.

Segundo as autoridades ucranianas, foram laçados quatro mísseis no porto de Odessa.

Um deles atingiu a área comercial, enquanto outros dois foram intercetados pelo sistema de defesa aérea ucraniano.

O quarto míssil terá atingido outra zona do porto.

 A Ucrânia e a Rússia assinaram esta sexta-feira acordos separados com a Turquia e a ONU para desbloquear a exportação das toneladas de cereais atualmente bloqueadas nos portos do mar Negro.

Numa cerimónia realizada no Palácio Dolmabahçe, na cidade turca de Istambul, com a parceria da Turquia e da ONU, foram assinados dois documentos – já que a Ucrânia recusou assinar o mesmo papel que a Rússia – devendo o acordo vigorar durante quatro meses, sendo, no entanto, renovável.

Especificamente, o acordo permitirá que navios de carga exportem de três portos ucranianos – Odessa, Pivdennyi e Chornomorsk – cerca de 22 milhões de toneladas de trigo, milho e outros cereais armazenados em silos.

CYC (PD) // VM

By Impala News / Lusa

Impala Instagram


RELACIONADOS