Ucrânia: Sanções da UE incluem Duma e restrições económicas às regiões separatistas

As sanções da União Europeia à Rússia, propostas aos Estados-membros, abrangem 27 entidades e membros do parlamento russo (Duma), bem como o congelamento de bens de bancos privados russos.

Ucrânia: Sanções da UE incluem Duma e restrições económicas às regiões separatistas

Ucrânia: Sanções da UE incluem Duma e restrições económicas às regiões separatistas

As sanções da União Europeia à Rússia, propostas aos Estados-membros, abrangem 27 entidades e membros do parlamento russo (Duma), bem como o congelamento de bens de bancos privados russos.

Bruxelas, 22 fev 2022 (Lusa) — As sanções da União Europeia (UE) à Rússia, hoje propostas aos Estados-membros, abrangem 27 entidades e membros do parlamento russo (Duma), bem como o congelamento de bens de bancos privados russos e restrições económicas às regiões separatistas.

A informação foi avançada à agência Lusa por fontes europeias, que indicaram que o “primeiro pacote de medidas restritivas foi apresentado hoje em COREPER II [Comité de Representantes Permanentes dos Governos dos Estados-Membros da União Europeia]”, abrangendo uma “lista de 27 entidades”, bem como “nomes de membros da Duma”, a câmara baixa da Assembleia Federal da Rússia (parlamento), num total de cerca de 350.

As mesmas fontes especificaram que, no que toca às sanções financeiras, “a Comissão Europeia irá propor restrições às relações económicas da União Europeia (UE) com as duas regiões” separatistas, de Donetsk e Lugansk, estando ainda previsto o “congelamento de bens de dois bancos privados russos”.

Estas sanções — que ainda terão de ser aprovadas pelos Estados-membros — surgem após o Presidente russo, Vladimir Putin, ter assinado, na segunda-feira à noite, um decreto que reconhece as regiões separatistas de Lugansk e de Donetsk, no Donbass (leste), e de ter ordenado a entrada das forças armadas russas naqueles territórios ucranianos numa missão de “manutenção da paz”.

Hoje à tarde, os ministros dos Negócios Estrangeiros da União Europeia vão analisar, numa reunião informal marcada de urgência em Paris, a imposição destas sanções à Rússia.

Para o final do dia, está ainda marcada uma nova reunião dos embaixadores dos Estados-membros junto da UE (COREPER II), para o aval final a este pacote de sanções.

“Para já, não está em cima da mesa a convocação de uma reunião de líderes” da UE, adiantaram as fontes europeias à Lusa.

Na segunda-feira, Vladimir Putin ordenou a mobilização do exército russo para “manutenção da paz” nos territórios separatistas no leste da Ucrânia, que reconheceu como independentes.

Putin assinou dois decretos que pedem ao Ministério da Defesa russo que “as Forças Armadas da Rússia assumam as funções de manutenção da paz no território” das “repúblicas populares” de Donetsk e Lugansk.

Em 2014, a Rússia invadiu o leste da Ucrânia e anexou a península da Crimeia, território ucraniano.

A guerra no leste da Ucrânia entre as forças de Kiev e separatistas pró-Rússia fizeram até ao momento mais de 14 mil mortos, de acordo com as Nações Unidas.

Também hoje, em declarações durante a conferência de imprensa diária da Comissão Europeia, em Bruxelas, o porta-voz principal da instituição apontou sem especificar que “estas sanções incluirão os envolvidos na decisão de reconhecimento da independência destes territórios”.

De acordo com Eric Mamer, o pacote de sanções “será dirigido às entidades dos territórios em questão, mas também fazendo que a própria Rússia pague um custo e que seja mais difícil a continuação das atividades russas nestas áreas e na Ucrânia em geral”.

“O que podemos dizer é que as propostas que são colocadas sobre a mesa dos ministros dos Negócios Estrangeiros não são simplesmente um espelho do que foi proposto para a Crimeia em 2014”, adiantou o porta-voz.

Falando numa “violação flagrante” das leis internacionais com o reconhecimento russo, Eric Mamer adiantou que a presidente da Comissão Europeia, Ursula von der Leyen, “tem estado em contacto com os vários chefes de Estado e de Governo da UE e com os parceiros internacionais para […] coordenar as sanções”.

ANE // SCA

By Impala News / Lusa

Impala Instagram


RELACIONADOS