Ucrânia: Presidente alemão pede ao homológo chinês que use influência sobre Putin

O Presidente alemão, Frank-Walter Steinmeier, apelou hoje ao seu homólogo da China, Xi Jinping, para “usar a sua influência” sobre o líder russo, Vladimir Putin, para “pôr fim” à guerra na Ucrânia, informou a Presidência alemã em comunicado.

Ucrânia: Presidente alemão pede ao homológo chinês que use influência sobre Putin

Ucrânia: Presidente alemão pede ao homológo chinês que use influência sobre Putin

O Presidente alemão, Frank-Walter Steinmeier, apelou hoje ao seu homólogo da China, Xi Jinping, para “usar a sua influência” sobre o líder russo, Vladimir Putin, para “pôr fim” à guerra na Ucrânia, informou a Presidência alemã em comunicado.

“O Presidente federal Frank-Walter Steinmeier telefonou hoje ao Presidente chinês, Xi Jinping (…). O Presidente sublinhou o interesse comum da China e da Europa em pôr fim à guerra. Pediu a Xi Jinping que use a sua influência sobre a Rússia e para agir nesse sentido com Putin”, refere o comunicado.

A conversa entre os dois líderes, que durou uma hora, segundo a presidência alemã, centrou-se também nas “relações bilaterais” de Berlim e Pequim, bem como na “situação atual na China relacionada com a covid-19”.

Desde o início da guerra na Ucrânia, o Ocidente tem tentado pressionar a China, que critica pela sua proximidade a Moscovo.

O chefe de Estado alemão “agradeceu ao Presidente Xi pela clara rejeição das ameaças nucleares da Rússia”, acrescentou a Presidência alemã.

Durante uma recente viagem do chanceler alemão, Olaf Scholz, à China, Xi Jinping concordou com o chefe de governo alemão que as ameaças nucleares eram irresponsáveis e expressou oficialmente a sua rejeição a uma escalada nuclear na guerra na Ucrânia.

Apesar das tensas relações com Pequim nos últimos dois anos, a União Europeia procura o apoio dos líderes chineses para conseguir o fim da guerra na Ucrânia.

O chanceler alemão, cujo país tem interesses económicos significativos na China, foi o primeiro líder do G7 (grupo dos países mais industrializados do mundo) a efetuar uma visita, no início de novembro, à China desde o início da pandemia de covid-19.

A China vive uma nova vaga de infeções pelo coronavirus que provoca a covid-19, com hospitais e crematórios a relatarem situações de sobrelotação, após o fim abrupto, no início de dezembro, das restrições da política de “covid zero”, e o tema foi abordado na conversa dos dois lideres, refere a nota da presidência alemã, mas sem dar mais detalhes.

A conversa telefónica de hoje entre o Presidente alemão e o seu homólogo chinês teve lugar por ocasião do cinquentenário das relações bilaterais entre a República Federal da Alemanha e a República Popular da China, disse Berlim.

ANP // PDF

By Impala News / Lusa

Impala Instagram


RELACIONADOS