Ucrânia: Marcelo alerta para “tempos muito difíceis” e pede unidade, solidariedade e eficácia

O PR alertou hoje que a invasão russa da Ucrânia já teve e terá “custos enormes” para a Europa e que vêm aí “tempos muito difíceis”, para os quais pediu unidade, solidariedade e eficácia.

Ucrânia: Marcelo alerta para

Ucrânia: Marcelo alerta para “tempos muito difíceis” e pede unidade, solidariedade e eficácia

O PR alertou hoje que a invasão russa da Ucrânia já teve e terá “custos enormes” para a Europa e que vêm aí “tempos muito difíceis”, para os quais pediu unidade, solidariedade e eficácia.

Cascais, Lisboa, 14 mar 2022 (Lusa) — O Presidente da República alertou hoje que a invasão russa da Ucrânia já teve e terá “custos enormes” para a Europa e que vêm aí “tempos muito difíceis”, para os quais pediu unidade, solidariedade e eficácia.

“Temos de garantir bens essenciais, de assegurar o funcionamento da economia, de apoiar as empresas, a começar nas dos setores cruciais, cuidar das pessoas, em particular das mais pobres, carenciadas ou sacrificadas. Temos ainda de exigir dos responsáveis a contenção nas palavras. Tudo isto com firmeza nos valores e princípios, clareza nas decisões, mas serenidade na postura”, defendeu.

Marcelo Rebelo de Sousa falava perante a comunicação social no Palácio da Cidadela de Cascais, no distrito de Lisboa, após uma reunião do Conselho de Estado que teve como único ponto da ordem de trabalhos a situação na Ucrânia.

“O que já se passou teve, tem e terá custos enormes na vida de todos nós, nomeadamente na Europa. Não há como negá-lo ou fazer de conta de que esses custos não cairão de uma forma ou de outra nas nossas vidas. E há que enfrentá-los com a mesma coragem e determinação reveladas nos últimos dois anos, em espírito de unidade, coesão, solidariedade e eficácia”, afirmou.

O chefe de Estado considerou que Portugal tem feito o que devia desde o início desta guerra, e acrescentou: “Não nos iludimos quanto aos tempos muito difíceis que aí estão ou que aí vêm. Estamos atentos àquilo que em cada momento é necessário e possível fazer para enfrentar os custos da guerra, como aconteceu com a pandemia”.

Depois de elencar os objetivos que considera prioritários nesta conjuntura – garantir bens essenciais, apoiar as empresas, cuidar dos mais pobres -, Marcelo Rebelo de Sousa observou: “Quando digo que temos feito tudo isto e teremos de continuar a fazer, digo os responsáveis políticos, a começar no Presidente da República, e todos os portugueses, tal como durante a pandemia”.

 

Impala Instagram


RELACIONADOS