Ucrânia: Kremlin avisa Ocidente para parar de anunciar datas de possível invasão

O porta-voz do Kremlin, Dmitri Peskov, alertou hoje que o anúncio de datas prováveis para uma suposta invasão russa da Ucrânia, por parte de países ocidentais, faz aumentar a tensão e o risco de “consequências irreparáveis”.

Ucrânia: Kremlin avisa Ocidente para parar de anunciar datas de possível invasão

Ucrânia: Kremlin avisa Ocidente para parar de anunciar datas de possível invasão

O porta-voz do Kremlin, Dmitri Peskov, alertou hoje que o anúncio de datas prováveis para uma suposta invasão russa da Ucrânia, por parte de países ocidentais, faz aumentar a tensão e o risco de “consequências irreparáveis”.

“Leva diariamente a um aumento da tensão e quando a tensão atinge um pico, como acontece agora na linha de contacto [a região de Donbas, no sudeste da Ucrânia, onde se situam as zonas separatistas pró-russas], qualquer faísca, qualquer incidente ou provocação podem levar a consequências irreparáveis”.

O porta-voz do Kremlin reiterou que a Federação Russa não tem intenção de atacar ninguém e que, por ter passado por “muitas guerras, é o último país da Europa a querer sequer falar de guerra”.

O Presidente norte-americano, Joe Biden, declarou-se na semana passada convencido de que o seu homólogo russo, Vladimir Putin, já decidiu atacar a Ucrânia “nos próximos dias”.

Por seu turno, o Presidente ucraniano, Volodymyr Zelensky, apelou aos países ocidentais para não anunciarem novas datas para a possível invasão russa.

“Para ajudarem verdadeiramente a Ucrânia, parem de falar constantemente de novas datas para uma eventual invasão. Nós defenderemos a nossa terra a 16 de fevereiro, a 01 de março e a 31 de dezembro”, pediu Zelensky durante a Conferência de Segurança de Munique, em que interveio no sábado.

O ministro ucraniano dos Negócios Estrangeiros, Dmitro Kuleba, afirmou hoje que a diplomacia ainda está funcionar entre a Ucrânia e a Rússia, garantindo que o seu país fará “todos os possíveis para manter a Rússia no caminho diplomático”, apesar de estar preparado para “qualquer cenário”.

O Ocidente e a Rússia vivem atualmente um momento de forte tensão, com o regime de Moscovo a ser acusado de concentrar pelo menos 150.000 soldados nas fronteiras da Ucrânia, numa aparente preparação para uma potencial invasão do país vizinho.

Moscovo desmente qualquer intenção bélica e afirma ter retirado parte do contingente da zona.

Entretanto, aumentaram nos últimos dias os confrontos entre o exército da Ucrânia e os separatistas pró-russos no leste do país, onde a guerra entre estas duas fações se prolonga desde 2014.

APN // MAG

By Impala News / Lusa

Impala Instagram


RELACIONADOS