Turquia tem gravações de assassínio de jornalista no consulado saudita

O Governo turco informou que tem gravações em vídeo e áudio que provam que o jornalista Jamal Khashoggi foi assassinado no consulado da Arábia Saudita em Istambul.

Turquia tem gravações de assassínio de jornalista no consulado saudita

Turquia tem gravações de assassínio de jornalista no consulado saudita

O Governo turco informou que tem gravações em vídeo e áudio que provam que o jornalista Jamal Khashoggi foi assassinado no consulado da Arábia Saudita em Istambul.

Washington, 12 out (Lusa)- O Governo turco informou responsáveis norte-americanos de que tem gravações em vídeo e áudio que provam que o jornalista Jamal Khashoggi foi assassinado no consulado da Arábia Saudita em Istambul, revelou hoje o jornal Washington Post.

O jornal norte-americano, do qual o jornalista crítico do regime de Riade era colunista, cita como fontes funcionários norte-americanos a quem os investigadores turcos terão transmitido a informação.

Segundo o relato, as gravações provam que Jamal Khashoggi foi detido no consulado por uma equipa de segurança, que o matou e desmembrou.

Khashoggi desapareceu a 02 de outubro depois de ter entrado no consulado saudita em Istambul para recolher documentos de que precisava para o seu casamento com uma cidadã turca.

O Washington Post destaca particularmente, na sua página online, uma gravação áudio que “proporciona algumas das provas mais persuasivas e macabras de que a equipa saudita é responsável pela morte de Khashoggi”.

“A gravação de voz do interior do consulado expõe o que aconteceu a Jamal depois da sua entrada”, disse uma fonte conhecedora da gravação e que não quis revelar a sua identidade devido à natureza “extremamente sensível” da informação.

Segundo a mesma fonte, “pode escutar-se como foi interrogado, torturado e depois assassinado”.

Na sequência do desaparecimento, amigos do jornalista asseguraram, em declarações à imprensa turca, ter a certeza de que tinha sido assassinado no consulado e que o seu corpo tinha sido esquartejado e retirado do local dentro de malas.

As autoridades turcas não comentam esta tese, que é negada por Riade.

No entanto, o Presidente turco, Recep Tayyip Erdogan, pediu às autoridades sauditas provas de que o jornalista saiu do consulado.

CFF // FPA

By Impala News / Lusa

Impala Instagram


RELACIONADOS