Três candidatos à nomeação presidencial no Sri Lanka

Os manifestantes têm exigido a renúncia do presidente interino do Sri Lanka, Ranil Wickremesinghe, que apresentou uma candidatura à liderança do país, que será decidida pelo parlamento

Três candidatos à nomeação presidencial no Sri Lanka

Três candidatos à nomeação presidencial no Sri Lanka

Os manifestantes têm exigido a renúncia do presidente interino do Sri Lanka, Ranil Wickremesinghe, que apresentou uma candidatura à liderança do país, que será decidida pelo parlamento

Colombo, 19 julho 2022 (Lusa) — Três políticos, incluindo o atual presidente interino do Sri Lanka e ex-primeiro-ministro Ranil Wickremesinghe, apresentaram hoje uma candidatura à liderança do país, que será decidida pelo parlamento na quarta-feira, em votação secreta.

O parlamento do Sri Lanka anunciou que, além de Wickremesinghe, estão na corrida dois outros deputados: o antigo ministro Dullas Alahapperuma, do SLPP, partido que apoiava o ex-chefe de Estado Gotabaya Rajapaksa; e Anura Kumara Dissanayake, da coligação de esquerda NPP.

Outro potencial candidato, o principal líder da oposição, Sajith Premadasa, anunciou na rede social Twitter, minutos antes da abertura oficial das candidaturas, a desistência a favor de Dullas Alahapperuma, “para o bem maior” do Sri Lanka.

A candidatura de Wickremesinghe foi recebida com surpresa, uma vez que, apesar de ter recebido o apoio do SLPP, o presidente interino tinha dito que não iria concorrer.

A possível nomeação de Wickremesinghe tinha sido criticada como continuando o governo de Rajapaksa e abrindo a porta a um possível regresso do presidente, que renunciou ao cargo na sexta-feira, após ter fugido para as Maldivas e mais tarde para Singapura.

A oposição política e os manifestantes acusam a família Rajapaksa, que dominou a vida política da ilha durante décadas, de desvio de fundos públicos e responsabilizam as medidas impostas pelo chefe de Estado de provocarem o colapso económico do país.

Estudantes e ativistas políticos disseram planear protestos para hoje na capital, Colombo, onde as entradas do parlamento estão barricadas, com o edifício protegido por centenas de soldados.

A votação, que será realizada de forma secreta pelos 225 legisladores que compõem o parlamento do Sri Lanka, acontecerá na quarta-feira às 10h00 (5h30 em Lisboa).

Também hoje, o Supremo Tribunal do Sri Lanka vai decidir sobre a legalidade da nomeação de Wickremesinghe como presidente interino, na semana passada, pelo líder do parlamento.

Caso a nomeação seja considerada ilegal, Wickremesinghe pode tornar-se inelegível para concorrer à presidência.

Wickremesinghe declarou na segunda-feira o estado de emergência, dando-lhe ampla autoridade para reprimir novos protestos, que já duram há mais de 100 dias.

A atual crise política no Sri Lanka deve-se à pior crise económica que o país vive desde a independência do Império Britânico em 1948.

O impasse político ameaça ainda mais a situação económica e financeira do país sendo que a falta de alternativa governamental pode atrasar ainda mais a intervenção do Fundo Monetário Internacional (FMI).

O país já entrou em ‘default’ técnico e tem uma dívida externa superior a 50 mil milhões de euros, que os analistas já consideraram “impagável”.

A escassez de produtos de primeira necessidade agravou a situação da população do país com 22 milhões de habitantes.

VQ (CSR/PSP) // CAD

By Impala News / Lusa

Impala Instagram


RELACIONADOS