Trabalhadores dos CTT protestam em Lisboa em defesa da renacionalização

Cerca de três de dezenas de trabalhadores manifestaram-se hoje, em Lisboa, em defesa da renacionalização dos CTT, no dia em que os correios de Portugal celebram 500 anos de vida.

Trabalhadores dos CTT protestam em Lisboa em defesa da renacionalização

Trabalhadores dos CTT protestam em Lisboa em defesa da renacionalização

Cerca de três de dezenas de trabalhadores manifestaram-se hoje, em Lisboa, em defesa da renacionalização dos CTT, no dia em que os correios de Portugal celebram 500 anos de vida.

O protesto, organizado pelo Sindicato Nacional dos trabalhadores dos Correios e Telecomunicações (SNTCT(CGTP-IN), durante a manhã de hoje, passou pela sede da autoridade reguladora das comunicações postais (Anacom) e terminou no Ministério das Infraestruturas e Habitação, para a entrega de um caderno reivindicativo no qual consta a defesa da renacionalização da empresa.

A secretária-geral da CGTP-IN, Isabel Camarinha, à margem do protesto, explicou à Lusa que o sindicato escolheu este dia, simbolicamente, para lembrar que, desde que foram criados, há 500 anos, os CTT cumprem “uma função fundamental para as populações”, a distribuição postal.

“O que tem vindo a acontecer, nomeadamente com a privatização, é que estes serviços foram entregues aos grandes grupos económicos, o que conduziu à degradação deste serviço”, disse a sindicalista, lembrando que os CTT não têm cumprido os requisitos de qualidade que constam do contrato de concessão.

O atual contrato de concessão termina em 31 de dezembro, e o concurso ainda não foi lançado, estando o Governo e a administração dos CTT a negociar o novo contrato de concessão do serviço universal, admitiu o ministro das Infraestruturas e Obras Pública, no parlamento, debate na especialidade da proposta de Orçamento do Estado para 2021.

“Está na altura de o contrato de concessão ser negociado e o que o Estado tem de pensar é no investimento que é renacionalizar os CTT. Porque, o que as empresas e os grupos que estão a dominar estes setores de empresas estratégicas que foram privatizados querem é sempre mais e mais dinheiro do Estado para negociar as concessões”, disse Isabel Camarinha.

Durante a manifestação, os trabalhadores gritaram palavras de ordem como “Concessão não é opção” e erguiam cartazes com frases como “Trabalhadores dos CTT em luta por serviços públicos de qualidade” e “CTT público já!”.

O encerramento do protesto contou com declarações, além de Isabel Carinha, do deputado Bruno Dias do PCP, partido que tem desafiado o Governo a renacionalizar os correios de Portugal.

VP // EA

By Impala News / Lusa

Impala Instagram


RELACIONADOS