Trabalhadores da distribuição em greve por melhores condições laborais

Os trabalhadores das empresas de distribuição estão hoje em greve por melhores condições laborais, acusando os patrões de quererem “salários miseráveis”, a desvalorização das carreiras e funcionários sempre disponíveis.

Trabalhadores da distribuição em greve por melhores condições laborais

Trabalhadores da distribuição em greve por melhores condições laborais

Os trabalhadores das empresas de distribuição estão hoje em greve por melhores condições laborais, acusando os patrões de quererem “salários miseráveis”, a desvalorização das carreiras e funcionários sempre disponíveis.

Para Braga, Porto, Leiria, Santarém, Lisboa e Algarve estão agendados vários piquetes de greve. Já para Aveiro está agendada uma contração dos trabalhadores das empresas de distribuição junto ao largo da estação de comboios, enquanto em Setúbal está prevista uma concentração no Almada Fórum. “O CESP [Sindicato dos Trabalhadores do Comércio, Escritórios e Serviços de Portugal] e os trabalhadores exigem o aumento dos salários, horários de trabalho que permitam conciliação da vida pessoal e familiar com a vida profissional, sem banco de horas, e o fim da precariedade do setor”, lê-se num comunicado divulgado esta quinta-feira.

No documento, o CESP vincou que os trabalhadores das empresas de distribuição continuam sem ter a revisão do Contrato Coletivo de Trabalho (CCT), culpabilizando a associação patronal, “que insiste na chantagem” de só negociar se o sindicato aceitar introduzir o banco de horas no contrato. O sindicato garantiu que os trabalhadores não vão aceitar normas que levem ao aumento da carga horário e à destabilização dos tempos de trabalho e de vida. Por outro lado, conforme assinalou, os salários são baixos e não existe valorização das carreiras. “[…] Em contrapartida, o lucro das principais empresas do setor tem subido significativamente”, apontou.

A isto acrescem ritmos de trabalho “intensos”, numa altura em que existem menos trabalhadores nas lojas e armazéns, verificando-se, de acordo com o sindicato, “sucessivas alterações aos mapas de horários, sem conhecimento ou autorização dos trabalhadores implicados”. Para o CESP, os patrões querem trabalhadores “sempre disponíveis para trabalhar”, uma revisão da tabela com “salários miseráveis” e a desvalorização das carreiras profissionais.

Impala Instagram


RELACIONADOS