Theresa May pede adiamento da saída até 30 de junho

A primeira-ministra britânica pediu um adiamento da data de saída do Reino Unido da UE até 30 de junho, considerando “inaceitável” realizar eleições para o Parlamento Europeu.

Theresa May pede adiamento da saída até 30 de junho

Theresa May pede adiamento da saída até 30 de junho

A primeira-ministra britânica pediu um adiamento da data de saída do Reino Unido da UE até 30 de junho, considerando “inaceitável” realizar eleições para o Parlamento Europeu.

(CORRIGE O TÍTULO ANTERIOR) Londres, 20 mar (Lusa) – A primeira-ministra britânica, Theresa May, confirmou hoje que pediu um adiamento da data de saída do Reino Unido da União Europeia (UE) até 30 de junho, considerando “inaceitável” realizar eleições para o Parlamento Europeu em maio.

“Eu não acredito que tais eleições sejam do interesse de ninguém. A ideia de que, três anos depois de votar a saída da UE, o povo deste país deveria ser convidado a eleger um novo grupo de deputados europeus é, penso, inaceitável”, disse hoje, no debate semanal com deputados na Câmara dos Comuns.

May disse que o Governo pretende submeter ao parlamento o Acordo de Saída negociado com Bruxelas para um “voto significativo”.

“Se essa votação for aprovada, a extensão dará à Câmara tempo para considerar a lei do Acordo de Saída. Se não, a Câmara terá que decidir como proceder. Mas como primeira-ministra, eu não estou preparada para atrasar o ‘Brexit'”, vincou.

Ativado pelo Governo britânico em 2017, o artigo 50.º do Tratado da UE determina dois anos de negociação para um estado membro sair da UE, prazo que acaba a 29 de março e que está inscrito na legislação britânica.

A alteração da data na proposta de lei para a Saída da União Europeia implica a aprovação de um “instrumento estatutário”, um procedimento mais rápido do que uma lei normal, mas que mesmo assim precisa de passar pela Câmara dos Comuns e pela Câmara dos Lordes do parlamento britânico.

Numa moção aprovada a 14 de março pelo parlamento britânico, o governo tinha sugerido pedir à UE uma “prorrogação técnica curta e limitada” de três meses, até 30 de junho, necessária apenas para passar a legislação necessária, mas deixava entender que pretendia submeter o Acordo de Saída, chumbado duas vezes, em janeiro e março, de novo ao parlamento esta semana, até quarta-feira.

A ausência de um entendimento com o Partido Democrata Unionista (DUP) da Irlanda do Norte para garantir o apoio dos seus 10 deputados, o qual poderia influenciar outros conservadores eurocéticos a deixar passar o documento, bem como a intervenção do líder da Câmara dos Comuns [speaker], John Bercow, obstando-se à submissão do texto sem alterações substanciais, levou ao diferimento da terceira votação.

O governo britânico indicou na semana passada que qualquer prorrogação para além de 30 de junho exigiria que o Reino Unido realizasse eleições para o Parlamento Europeu em maio.

BM // FPA

By Impala News / Lusa

Impala Instagram


RELACIONADOS