Taxa de pobreza em Angola passou dos 36,6% em 2017 para 29%

A ministra da Ação Social, Família e Promoção da Mulher angolana disse hoje que o país registou uma redução no nível de pobreza, passando dos 36,6% em 2017, para os atuais 29%, com uma meta de 25% até 2022.

Taxa de pobreza em Angola passou dos 36,6% em 2017 para 29%

Taxa de pobreza em Angola passou dos 36,6% em 2017 para 29%

A ministra da Ação Social, Família e Promoção da Mulher angolana disse hoje que o país registou uma redução no nível de pobreza, passando dos 36,6% em 2017, para os atuais 29%, com uma meta de 25% até 2022.

Faustina Alves falava à imprensa no final de um encontro promovido hoje, em Luanda, pela ONU sobre a redução da pobreza, no âmbito das celebrações do dia das Nações Unidas.

A governante angolana considerou “muito bom” que Angola comece a reduzir os seus níveis de pobreza, enaltecendo o encontro de troca de informações e análise de estratégias para se atingir a meta dos 25%, de acordo com os Objetivos do Desenvolvimento Sustentável.

“O Governo está a trabalhar, cada vez mais junto das populações. Estamos a identificar as suas necessidades e temos estado a arranjar formas de reunir as condições”, disse a ministra.

Segundo Faustina Alves, a população está a produzir e as autoridades a arranjar formas de facilitar o escoamento da produção, uma das reclamações existentes.

Hoje, o Ministério do Comércio lançou, na primeira Expedição Multissetorial da Feira de Negócios dos Municípios de Luanda, uma plataforma digital, denominada “Digit Transporte”, que vai facilitar o escoamento dos produtos a nível nacional, cujos primeiros postos estão localizados nos municípios de Belas, Cacuaco e Viana, noticiou o Jornal de Angola.

Faustina Alves realçou o desenvolvimento da produção nas províncias do Moxico, Bié, Huambo e Uíje, e mesmo nas zonas afetadas pela seca, como o Namibe e o Cuando Cubango, à exceção do Cunene, onde vive o maior número de pessoas afetadas e apesar das chuvas que já se fazem sentir.

“Temos informações de que já está a cair chuva e que (os camponeses) estão a tentar arar a terra, e esperemos que não haja mais problemas de seca, mas ainda faltam três a quatro meses para a colheita”, frisou.

A titular da pasta da Ação Social, Família e Promoção da Mulher sublinhou que mais do que a redução das percentagens da pobreza, mais importante “é tirar a população do nível de vulnerabilidade em que se encontra”.

“Às vezes apegamo-nos aos números, mas tudo depende do contexto climático, do que é dado às cooperativas e também do engajamento de todos”, salientou.

No encontro participaram, além de membros do executivo angolano, o reitor da Universidade Católica de Angola, padre José Cacuchi, o representante residente do Banco Africano de Desenvolvimento, Joseph Ribeiro, e representantes da sociedade civil.

NME/RCR // SR

By Impala News / Lusa

Impala Instagram


RELACIONADOS