“Sucesso” no combate à droga justifica oposição ao Presidente da Guiné-Bissau – EUA

Um responsável para África da Administração de Combate à Droga dos EUA acredita que parte da classe política na Guiné-Bissau está envolvida no tráfico de droga e que a oposição ao Presidente pode dever-se aos “sucessos” no combate.

“Sucesso” no combate à droga justifica oposição ao Presidente da Guiné-Bissau – EUA

Um responsável para África da Administração de Combate à Droga dos EUA acredita que parte da classe política na Guiné-Bissau está envolvida no tráfico de droga e que a oposição ao Presidente pode dever-se aos “sucessos” no combate.

Em entrevista telefónica à agência Lusa, o diretor regional adjunto para África da Administração de Combate à Droga norte-americana (DEA, na sigla em inglês), Antonio Hubbard, afirmou que as tensões entre os políticos e o Presidente cessante da Guiné-Bissau, José Mário Vaz, podem ser “resultado dos sucessos” no combate à droga que o chefe de Estado tem obtido.

“O que não sabemos neste momento é se as acusações de alguns membros do Governo de que o Presidente não pode continuar a chefiar são resultado dos sucessos que foram obtidos recentemente, como as apreensões de droga”, disse o responsável, falando a partir de Joanesburgo.

“Mas esses são assuntos internos e são assuntos para os serviços políticos da região estudarem”, completou.

As eleições presidenciais na Guiné-Bissau estão marcadas para 24 de novembro, sendo José Mário Vaz candidato à reeleição.

“A única coisa que posso dizer, da interação que o nosso gabinete tem tido recentemente com o Presidente, é que ele parece estar disposto a avançar e que ele quer que a comunidade internacional tenha uma impressão diferente sobre a Guiné-Bissau”, comentou o diretor adjunto da DEA em África.

A Administração considera que o Presidente cessante tomou “decisões corretas” contra o narcotráfico e desenvolveu medidas de execução da lei relevantes e “muito úteis”, em conjunto com a diretora-geral da Polícia Judiciária, Filomena Maria Vaz Mendes.

Na opinião do responsável norte-americano, a diretora-geral da PJ “tem apoiado totalmente” a comunicação entre a Administração de Combate à Droga e a Polícia guineense, o que permitiu encontrar “parceiros fiáveis e que querem impedir as importações”.

Sobre a troca de acusações entre partidos políticos de envolvimento no tráfico de droga, o responsável norte-americano: “Sabemos que existe”, mas escusou-se a entrar em detalhes.

“É algo que deixamos para o próprio Estado policiar. Mas se isso não está a ser feito – e temos informações de que não está a ser feito – a única coisa que podemos fazer é não partilhar informações e não dar assistência”, declarou.

Questionado sobre o envolvimento dos Estados Unidos na maior apreensão de droga na Guiné-Bissau, em 02 de setembro, Antonio Hubbard disse que a DEA colaborou, “mas a parte de maior responsabilidade foi das autoridades da Guiné-Bissau”.

O diretor adjunto disse também que tinha uma viagem planeada para a Guiné-Bissau durante o mês de outubro, que foi cancelada “por causa da situação atual”, mas assegurou que vai realizar a visita em breve, com ajuda do embaixador dos Estados Unidos em Bissau.

O Presidente guineense demitiu no início da semana o Governo liderado por Aristides Gomes, do Partido Africano para a Independência da Guiné e Cabo Verde (PAIGC), vencedor das eleições legislativas, e nomeou Faustino Imbali (Partido para a Renovação Social) como primeiro-ministro da Guiné-Bissau, tendo dado posse ao executivo esta sexta-feira.

A União Africana, a União Europeia, a CEDEAO, a Comunidade dos Países de Língua Portuguesa (CPLP) e as Nações Unidas já condenaram a decisão do Presidente José Mário Vaz de demitir o Governo liderado por Aristides Gomes e disseram que apenas reconhecem o executivo saído das eleições legislativas de 10 de março.

O Governo de Aristides Gomes já disse que não reconhece a decisão de José Mário Vaz, por ser candidato às eleições presidenciais, pelo seu mandato ter terminado a 23 de junho e por ter ficado no cargo por decisão da CEDEAO.

EYL // JH

By Impala News / Lusa

Impala Instagram


RELACIONADOS