STOP diz que ministro da Educação tem de mudar de postura para com os professores

O coordenador do Sindicato de Todos os Profissionais da Educação (STOP) afirmou hoje em Setúbal que o ministro da Educação vai ter de alterar a sua postura para com os professores sob pena de ter de abandonar o cargo.

STOP diz que ministro da Educação tem de mudar de postura para com os professores

STOP diz que ministro da Educação tem de mudar de postura para com os professores

O coordenador do Sindicato de Todos os Profissionais da Educação (STOP) afirmou hoje em Setúbal que o ministro da Educação vai ter de alterar a sua postura para com os professores sob pena de ter de abandonar o cargo.

“O ministro [da Educação] tem, de facto, de mudar radicalmente a sua postura. Ou então acho que vai de patins”, disse André Pestana, que falava aos jornalistas durante mais uma concentração de protesto dos professores, na Praça do Bocage, em Setúbal.

“Eu acho que é impossível um Governo, um ministro continuar, digamos, a teimar, e a não satisfazer as nossas reivindicações, porque, de facto, o sindicato STOP não está sozinho. Está com um grande apoio, massivo, de quem trabalha, inclusive de pais que estiveram presentes na grande manifestação em Lisboa”, sublinhou o sindicalista.

Questionado pelos jornalistas, André Pestana garantiu, no entanto, que os professores estão disponíveis para negociar na reunião desta semana com a tutela e lembrou as principais reivindicações dos profissionais do setor da educação na escola pública.

“Há várias reivindicações que são transversais ao pessoal docente e não docente, como o aumento salarial que compense a inflação. As pessoas lá em casa sabem que há falta de professores, porque já não compensa, com o salário magro dos professores, estar tão distante das nossas famílias. E por isso é que existem milhares e milhares de alunos sem aulas durante longos meses”, disse.

“Temos também a questão, por exemplo, da gestão democrática nas escolas, a questão de uma avaliação justa sem quotas, que tanto prejudica os colegas docentes e não docentes, o direito à Caixa Geral de Aposentações e muitas outras questões, como o roubo do tempo de serviço, os salários dignos, em particular para os colegas não docentes que recebem apenas 700 euros por mês, após muitas décadas de entrega à escola pública”, acrescentou André Pestana.

 O coordenador do STOP reforçou a ideia de que sempre houve disponibilidade do sindicato para negociar e que foi o ministro a recusar a negociação de diversas matérias

“Nós sempre quisemos negociar. O ministro é que, apesar da nossa insistência há vários anos, recusa-se a, sequer, negociar alguns desses temas que eu acabei de referir. E a reunião de sexta feira só abrange uma parte específica do recrutamento dos docentes e nós achamos logo à partida que é incompleto”, disse André Pestana, defendendo a necessidade de também haver uma valorização do pessoal não docente da escola pública.

Confrontado com a proposta do Ministério da Educação noticiada domingo pela RTP, de que o ministro irá levar para a mesa das negociações uma garantia de vinculação dos professores ao fim de três anos de serviço a contrato, André Pestana considerou que se trata de uma proposta insuficiente.

“O que eu acho é que peca por insuficiente, porque não está a ver os reais problemas. Nós nunca falámos meramente da questão da vinculação. Vemos isto como um todo, como um conjunto de medidas para dignificar quem trabalha nas escolas, o pessoal docente e o pessoal não docente”, disse André Pestana.

A greve de professores por distritos começou hoje e prolonga-se por 18 dias.

Depois de Lisboa, na terça-feira será dia de greve em Aveiro, seguindo-se Beja, Braga, Bragança, Castelo Branco, Coimbra, Évora, Faro, Guarda, Leiria, Portalegre, Santarém, Setúbal, Viana do Castelo, Vila Real, Viseu, terminando no Porto a 08 de fevereiro.

A greve das oito organizações sindicais realiza-se ao mesmo tempo em que decorrem outras duas paralisações: uma greve por tempo indeterminado, convocada pelo Sindicato de Todos os Professores (STOP), que se iniciou em 09 de dezembro e vai manter-se, pelo menos, até ao final do mês, e uma greve parcial ao primeiro tempo de aulas convocada pelo Sindicato Independente de Professores e Educadores (SIPE), que deverá prolongar-se até fevereiro.

No sábado, dezenas de milhares de professores e pessoal não docente saíram à rua para participar num protesto promovido pelo STOP.

As greves dos professores começaram no final do ano passado, antes do fim das aulas do primeiro período, e foram retomados no início do segundo período, ou seja, há duas semanas.

 

GR(SIM/MYCA/FPA) // ZO

Lusa/fim

By Impala News / Lusa

Impala Instagram


RELACIONADOS