Sondagens colocam prefeitos de São Paulo e Rio de Janeiro na segunda volta das autárquicas

Os prefeitos das duas maiores cidades do Brasil, São Paulo e Rio de Janeiro, deverão ir à segunda volta das autárquicas, segundo sondagens divulgadas ao início da noite de hoje, após o fecho das urnas.

Sondagens colocam prefeitos de São Paulo e Rio de Janeiro na segunda volta das autárquicas

Sondagens colocam prefeitos de São Paulo e Rio de Janeiro na segunda volta das autárquicas

Os prefeitos das duas maiores cidades do Brasil, São Paulo e Rio de Janeiro, deverão ir à segunda volta das autárquicas, segundo sondagens divulgadas ao início da noite de hoje, após o fecho das urnas.

De acordo com sondagens à boca da urna do Instituto Brasileiro de Opinião Pública e Estatística (IBOPE), em São Paulo, Bruno Covas, candidato de centro-direita que procura a reeleição, surge em primeiro lugar com 33% dos votos, seguido pelo candidato de esquerda e principal surpresa da corrida eleitoral, Guilherme Boulos, que teve 25% de apoio dos eleitores.

No Rio de Janeiro, o atual prefeito, Marcelo Crivella, aparece em segundo lugar na sondagem com 20% dos votos, atrás do candidato que liderou toda a corrida eleitoral, o ex-prefeito ‘carioca’ e candidato do partido de centro-direita Democratas, Eduardo Paes, que aparece com 39% dos votos.

No Brasil, as autárquicas disputadas em cidades com mais de 200 mil habitantes vão a uma segunda volta quando o líder da votação não supera a marca de metade dos votos válidos.

Tanto no Rio de Janeiro como em São Paulo, os índices da boca de urna, que podem variar dois pontos percentuais para mais ou para menos, indicam que haverá segunda volta, marcada para dia 29 de novembro.

O resultado oficial da eleição deverá ser divulgado ainda na noite de hoje pelo Tribunal Superior Eleitoral (TSE), responsável pelo apuramento dos votos em eleições do país.

O Brasil realizou hoje eleições para escolher os prefeitos e vereadores das câmaras legislativas de 5.567 cidades, número que exclui o Distrito Federal, onde a administração do território, incluindo a capital do país, Brasília, é exercida pelo governador, e também Macapá, capital do estado do Amapá, onde a votação foi adiada devido a problemas no abastecimento elétrico.

Ao todo, 147,9 milhões de eleitores brasileiros estavam aptos a votar no pleito.

Neste ano, há uma preocupação redobrada com higiene e as condições sanitárias dos locais de votação para evitar a proliferação da covid-19.

CYR // JH

By Impala News / Lusa

Impala Instagram


RELACIONADOS