Sobe para oito o número de mortos em ataque russo a cidade de Mykolaiv na Ucrânia

As autoridades ucranianas elevaram hoje para oito o número de mortos em consequência de um ataque das Forças Armadas russas na quinta-feira à cidade de Mykolaiv, no sul da Ucrânia.

Sobe para oito o número de mortos em ataque russo a cidade de Mykolaiv na Ucrânia

Sobe para oito o número de mortos em ataque russo a cidade de Mykolaiv na Ucrânia

As autoridades ucranianas elevaram hoje para oito o número de mortos em consequência de um ataque das Forças Armadas russas na quinta-feira à cidade de Mykolaiv, no sul da Ucrânia.

O novo balanço do ataque russo foi anunciado pelo presidente da câmara de Mykolaiv, Oleksandr Senkevych, na plataforma digital Telegram, acrescentando que as operações de resgate já foram concluídas, depois de removidos todos os escombros dos edifícios destruídos.

Segundo Senkevych, o balanço final de vítimas mortais ascendeu a oito depois de, entre os restos de um dos edifícios, terem sido encontrados seis cadáveres, que se juntaram ao de um menor morto na quinta-feira e a um dos elementos das equipas de resgate.

As autoridades ucranianas denunciaram na madrugada de quinta-feira uma série de bombardeamentos russos à cidade de Mykolaiv que atingiram quatro edifícios, sendo o que foi diretamente alvo do impacto o mais danificado.

Nos últimos dias, a Rússia fez uma alteração na sua estratégia de guerra na Ucrânia, estando agora a centrar os ataques a zonas civis e infraestruturas. Moscovo adotou esta medida como retaliação a uma explosão ocorrida no sábado que danificou a estratégica ponte de Kerch, que une a Rússia à península da Crimeia, que anexou em 2014.

A ofensiva militar lançada a 24 de fevereiro pela Rússia na Ucrânia causou já a fuga de mais de 13 milhões de pessoas — mais de seis milhões de deslocados internos e mais de 7,6 milhões para os países europeus -, de acordo com os mais recentes dados da ONU, que classifica esta crise de refugiados como a pior na Europa desde a Segunda Guerra Mundial (1939-1945).

A invasão russa — justificada pelo Presidente russo, Vladimir Putin, com a necessidade de “desnazificar” e desmilitarizar a Ucrânia para segurança da Rússia – foi condenada pela generalidade da comunidade internacional, que tem respondido com envio de armamento para a Ucrânia e imposição à Rússia de sanções políticas e económicas.

A ONU apresentou como confirmados desde o início da guerra, que hoje entrou no seu 233.º dia, 6.221 civis mortos e 9.371 feridos, sublinhando que estes números estão muito aquém dos reais.

ANC // PDF

By Impala News / Lusa

Impala Instagram


RELACIONADOS