Sindicato dos maquinistas alemães apela para greve nacional

O sindicato dos maquinistas da Deutsche Bahn, operador ferroviário estatal alemão, apelou hoje para a realização de uma greve nacional que deve ser massivamente seguida até ao final da semana, para pressionar as negociações salariais com a direção, foi anunciado.

Sindicato dos maquinistas alemães apela para greve nacional

Sindicato dos maquinistas alemães apela para greve nacional

O sindicato dos maquinistas da Deutsche Bahn, operador ferroviário estatal alemão, apelou hoje para a realização de uma greve nacional que deve ser massivamente seguida até ao final da semana, para pressionar as negociações salariais com a direção, foi anunciado.

O sindicato GDL dos maquinistas deverá começar a “ação inicial” nos comboios de carga a partir de hoje, antes da “ação sindical global” de quarta-feira a sexta-feira, disse o líder do GDL, Claus Weselsky, numa conferência de imprensa.

Espera-se que a greve seja maciça: a moção foi aprovada por 95% dos 37.000 membros do sindicato.

Na origem da convocação desta greve está o fracasso das negociações salariais sobre o próximo acordo coletivo entre a direção e o sindicato, particularmente no que diz respeito aos aumentos salariais.

A Deutsche Bahn, que é totalmente propriedade do Estado alemão, propôs um aumento salarial de 1,5% a partir de janeiro de 2022, depois de 1,7% a partir de março de 2023.

Esta proposta é considerada “demasiado baixa” pelo sindicato, que exige um aumento de 1,4% a partir de 2021, bem como um bónus de 600 euros, e depois outro aumento de 1,8% em 2022.

“Os trabalhadores dos caminhos-de-ferro estão fartos dos gestores que forram os seus bolsos com milhões e os pequenos trabalhadores ferroviários sejam enganados”, disse Claus Weselsky.

Este anúncio, que era esperado há vários dias, não está a correr bem com a gestão da empresa.

Esta greve é uma “bofetada na cara”, disse a Deutsche Bahn na segunda-feira.

Com o verão, o grupo vive um reinício de atividade depois de meses de restrições relacionadas com a pandemia do novo coronavírus.

No entanto, a Deutsche Bahn disse estar “pronta para negociar a qualquer momento e em qualquer lugar”.

A última grande disputa industrial na empresa teve lugar entre 2014 e 2015.

Durante um período de cerca de nove meses, o sindicato GDL organizou nove greves que duraram vários dias cada uma para exigir uma reforma das regras de representação.

Em maio de 2015, uma greve de seis dias tornou-se a mais longa da história da empresa.

MC // CSJ

By Impala News / Lusa

Impala Instagram


RELACIONADOS