Sérgio Vasques diz que Orçamento deve focar-se na resposta à inflação e atualizar escalões

O antigo secretário de Estado dos Assuntos Fiscais Sérgio Vasques considera que o OE2023 deve focar-se na resposta à subida de preços, defendendo um ajustamento de todos os escalões do IRS, evitando que a inflação penalize os contribuintes.

Sérgio Vasques diz que Orçamento deve focar-se na resposta à inflação e atualizar escalões

Sérgio Vasques diz que Orçamento deve focar-se na resposta à inflação e atualizar escalões

O antigo secretário de Estado dos Assuntos Fiscais Sérgio Vasques considera que o OE2023 deve focar-se na resposta à subida de preços, defendendo um ajustamento de todos os escalões do IRS, evitando que a inflação penalize os contribuintes.

As “muitas exigências a que responder”, num momento como o atual, levam Sérgio Vasques a afirmar que, “em termos fiscais”, o Orçamento do Estado para 2023 (OE2023) será “um exercício mais difícil”, do que os orçamentos de anos anteriores, devendo ser de “resposta ao que é urgente, em particular energia e inflação”.

Apesar da dificuldade do exercício, o professor da Universidade Católica Portuguesa e antigo secretário de Estado dos Assuntos Fiscais disse à Lusa que o OE2023 deve avançar com um ajuste nos escalões do IRS “que evite a penalização dos contribuintes por via da inflação, em qualquer escalão de rendimento”.

O antigo governante e especialista em questões fiscais considera ainda que o próximo Orçamento do Estado terá de incluir “medidas de acomodação dos custos com a energia, em sede de IRS, IRC ou IVA, antecipando um inverno difícil”.

Em relação ao IRC — imposto em torno do qual se acentuou o debate sobre uma descida, direcionada ou transversal –, Sérgio Vasques salienta que descer a taxa deste imposto abaixo dos 20% num país em que os trabalhadores pagam IRS com taxas além dos 50% não lhe parece ser a opção mais inteligente.

“Com certeza para as empresas é importante também que o país retenha capital humano e que a maior fatia dos salários brutos não seja absorvida em impostos e contribuições sociais”, disse, precisando não lhe parecer “que estejamos em época de benefícios fiscais que vão além do simbólico”.

Sobre mudanças no IRC direcionadas para empresas que aumentam salários — como apontado na proposta de acordo que o Governo levou à Concertação Social — mostra algumas reservas face à complexidade da medida.

“A mexer-se no IRC, que seja simples. Não podemos queixar-nos permanentemente da complexidade dos impostos e querer sempre fazer-lhes mais um remendo. Os nossos códigos fiscais estão pejados de boas intenções, raras vezes com resultados”, precisou o antigo governante à Lusa.

LT // JNM

By Impala News / Lusa

Impala Instagram


RELACIONADOS