São Tomé/Eleições: Domingos Simões Pereira diz ter sido impedido por Bissau de chefiar observadores

O antigo primeiro-ministro guineense Domingos Simões Pereira disse hoje à Lusa que foi impedido pelo Governo da Guiné-Bissau de chefiar a missão de observação eleitoral da União Africana em São Tomé e Príncipe.

São Tomé/Eleições: Domingos Simões Pereira diz ter sido impedido por Bissau de chefiar observadores

São Tomé/Eleições: Domingos Simões Pereira diz ter sido impedido por Bissau de chefiar observadores

O antigo primeiro-ministro guineense Domingos Simões Pereira disse hoje à Lusa que foi impedido pelo Governo da Guiné-Bissau de chefiar a missão de observação eleitoral da União Africana em São Tomé e Príncipe.

Numa nota enviada à Lusa, Simões Pereira, que se encontra temporariamente em Lisboa, indicou que, após ter sido formalmente convidado pela União Africana e de ter dado a sua anuência, recebeu, na quarta-feira, uma comunicação daquela organização em como já não seria possível a missão.

“No passado dia 24 de agosto, recebi por via telefónica, uma notificação de um alto responsável da União Africana, da intenção dessa organização em me convidar para chefiar a missão de observação à segunda volta das eleições em São Tomé e Príncipe. Este responsável enfatizava o facto de se tratar de um princípio observado pela organização, de envolver ex-chefes de Governo em missões dessa natureza”, precisou, na nota.

Sem citar nomes, Domingos Simões Pereira afirmou, no entanto, que após trocas de correspondências e com o itinerário de viagem acertados, recebeu uma comunicação da União Africana a abortar a missão.

“Quando tudo estava acertado para a partida a São Tomé nesta sexta-feira, eis que, pelas 23:40 horas (de quarta-feira) vem uma nota indicar que as autoridades guineenses exprimiram reticências à minha designação para conduzir a missão de observação da UA à República de São Tomé e Príncipe. Subsequentemente, a UA decidiu anular o convite e a minha designação”, enfatizou Simões Pereira.

Para o político guineense, o ocorrido revela as fragilidades da União Africana e também das atuais autoridades do país.

“O caráter antidemocrático e de absoluta ignorância às leis por parte do atual Governo na República da Guiné-Bissau e a vulnerabilidade das organizações regionais de África, ao permitirem esse nível de promiscuidade e condicionamento das suas ações”, ficaram expostas nesta situação, realçou Pereira.

O político guineense sublinhou que tem sido prática corrente da chamada “dita oposição” participar em missões desta natureza, para desta forma dar um indicador de abertura e transparência que possam credibilizar o processo eleitoral.

A Lusa pediu e aguarda por uma reação ao Ministério dos Negócios Estrangeiros da Guiné-Bissau.

São Tomé e Príncipe realiza no domingo a segunda volta das eleições presidenciais, disputada entre Carlos Vila Nova, apoiado pela Ação Democrática Independente (ADI, oposição), e Guilherme Posser da Costa, apoiado pelo Movimento de Libertação de São Tomé e Príncipe — Partido Social Democrata (MLSTP-PSD) e pela coligação PCD-MDFM-UDD, que suporta o Governo.

MB // VM

By Impala News / Lusa

Impala Instagram


RELACIONADOS