1. HOME >
  2. NOTICIAS >
  3. POLITICA
Pedro Santana Lopes desafia governo de António Costa

Pedro Santana Lopes desafia governo de António Costa

Pedro Santana Lopes desafiou hoje os partidos que não apoiam o executivo socialista a formar um “acordo pós-legislativas” que derrote António Costa e viabilize um novo Governo.

“Neste ano eleitoral não podemos ignorar a realidade. Temos de derrotar a frente de esquerda e o Governo de António Costa”, começou por dizer Santana Lopes na intervenção de abertura do segundo dia da primeira Convenção da Europa e da Liberdade, organizada pelo Movimento Europa e Liberdade (MEL).

Para o concretizar, a “Aliança quer apresentar uma proposta simples, que os partidos que não estão envolvidos nessa solução inédita e de efeitos conhecidos no nosso país, admitam a constituição de uma grande aliança, um grande movimento de crescimento, liberdade e progresso”.

Neste movimento “devem estar os partidos mais tradicionais já existentes, os que já se constituíram e aqueles que estão, por ventura prometidos nascer”, apontou.

Para Santana Lopes, existiriam duas possibilidades, uma “coligação pré-eleitoral com base nos resultados das europeias”, ou uma “coligação pós-eleitoral, com base nos resultados das eleições legislativas”.

A primeira “não recolhe a preferência da Aliança”, destacou, apontando que, na sua opinião, também “não é viável no atual quadro por razões que parecem óbvias”.

LEIA MAIS: Idosa atropelada por autocarro em Vila Nova de Gaia

“A opção que admitimos, ou seja, a de um acordo pós-legislativas pressupõe naturalmente o que parece muito difícil hoje em dia, mas que tem o nosso empenho. Que as forças do centro-direita assumam a vontade e o propósito de viabilizarem conjuntamente a formação de um Governo patriótico, que inicie um novo ciclo político, económico e social”, assinalou.

 

Siga a Impala no Instagram

Impala Instagram


RELACIONADOS

Pedro Santana Lopes desafia governo de António Costa

Pedro Santana Lopes desafiou hoje os partidos que não apoiam o executivo socialista a formar um “acordo pós-legislativas” que derrote António Costa e viabilize um novo Governo.