Salários reais dos trabalhadores do privado vão reduzir-se cerca de 1% este ano

Os salários reais dos trabalhadores no setor privado vão reduzir-se cerca de 1% este ano, refletindo a escalada da inflação, estima o Banco de Portugal.

Salários reais dos trabalhadores do privado vão reduzir-se cerca de 1% este ano

Salários reais dos trabalhadores do privado vão reduzir-se cerca de 1% este ano

Os salários reais dos trabalhadores no setor privado vão reduzir-se cerca de 1% este ano, refletindo a escalada da inflação, estima o Banco de Portugal.

No boletim económico de junho, hoje divulgado, o BdP indica que “os salários reais por trabalhador no setor privado reduzem-se cerca de 1% em 2022, refletindo a subida abrupta da inflação”.

No entanto, para 2023 e 2024 o BdP já estima um crescimento médio dos salários reais de 2%, aproximadamente em linha com o da produtividade.

“Assume-se ao longo do horizonte de projeção uma passagem incompleta dos aumentos de preços aos salários, num contexto em que as expetativas de inflação de longo prazo permanecem ancoradas”, justifica o BdP.

O supervisor acrescenta que enquanto o crescimento médio do Índice Harmonizado de Preços no Consumidor (IHPC) entre 2022 e 2024 é cerca de 3,5%, “os salários nominais por trabalhador no setor privado crescem 1,5% acima da produtividade no mesmo período”, com a atual projeção a incorporar o aumento anunciado do salário mínimo de 6,4% em 2023.

O BdP projeta que a inflação, medida pela variação anual do IHPC, deverá aumentar de 0,9% em 2021 para 5,9% em 2022, antes de cair para 2,7% e 2% em 2024, refletindo, sobretudo, as pressões inflacionistas externas, com impacto direto nos preços dos bens energéticos.

O primeiro-ministro apelou, em 04 de junho, às empresas para que contribuam para um esforço coletivo de aumento dos salários dos portugueses, para que haja “maior justiça” e os salários médios em Portugal possam aumentar 20%.

Segundo António Costa, as empresas têm de ter consciência que deve haver “maior justiça nas políticas remuneratórias que praticam”, sublinhando que, na União Europeia, o peso dos salários no conjunto da riqueza nacional é de 48% e em Portugal é de 45%.

Por seu lado, o presidente da CIP, António Saraiva, afirmou nessa sequência que uma subida dos salários, como pediu o primeiro-ministro, depende de um aumento da produtividade das empresas, sob pena de prejudicar a competitividade das empresas e o seu futuro.

AAT(MAD/VP) // MSF

By Impala News / Lusa

Impala Instagram


RELACIONADOS