Rússia perdeu mais de um quarto dos seus helicópteros Ka-50

A Rússia perdeu 23 helicópteros Kamov Ka-50 desde que invadiu a Ucrânia, em fevereiro, o que representa cerca de um quarto da sua frota de 90 aparelhos deste tipo, disse hoje o Ministério da Defesa britânico.

Rússia perdeu mais de um quarto dos seus helicópteros Ka-50

Rússia perdeu mais de um quarto dos seus helicópteros Ka-50

A Rússia perdeu 23 helicópteros Kamov Ka-50 desde que invadiu a Ucrânia, em fevereiro, o que representa cerca de um quarto da sua frota de 90 aparelhos deste tipo, disse hoje o Ministério da Defesa britânico.

Numa atualização da sua informação diária sobre a guerra na Ucrânia, os serviços de inteligência militar britânicos disseram tratar-se de perdas verificadas.

Disseram também que os 23 Ka-50 em causa correspondem a cerca de metade dos helicópteros já perdidos pela Rússia na Ucrânia.

Para os peritos britânicos, os helicópteros russos têm-se mostrado vulneráveis aos sistemas de defesa aérea portáteis das forças ucranianas por operarem com menor cobertura dos caças de combate, como “seria de esperar ao abrigo da doutrina militar russa”.

“A Rússia continua a não conseguir manter uma superioridade aérea adequada” que lhe permita garantir um apoio “fixo e eficaz perto da linha da frente, e as suas munições de artilharia estão a esgotar-se”, disse a Defesa britânica.

Na avaliação dos peritos de Londres, “os comandantes russos estão provavelmente a recorrer cada vez mais” a missões de alto risco com helicópteros “como um dos poucos meios disponíveis para apoiar de perto as tropas em combate”.

A Rússia invadiu a Ucrânia em 24 de fevereiro deste ano, mergulhando a Europa naquela que é considerada a crise de segurança mais grave desde a Segunda Guerra Mundial (1939-1945).

Depois de ganhos iniciais das tropas russas, a Ucrânia recebeu ajuda em equipamento militar dos seus aliados ocidentais, o que lhe permitiu iniciar recentemente uma contraofensiva.

A Ucrânia tem reivindicado ganhos territoriais em várias zonas do país, incluindo em regiões entretanto anexadas ilegalmente pela Rússia.

Em 30 de setembro, Moscovo oficializou a anexação de Donetsk, Lugansk, Kherson e Zaporijia, numa decisão não reconhecida por Kiev nem pela generalidade da comunidade internacional.

A Rússia já tinha anexado anteriormente a península ucraniana da Crimeia, em 2014.

Desconhece-se o balanço de baixas civis e militares na guerra da Ucrânia, mas diversas fontes, incluindo a ONU, têm admitido que será consideravelmente elevado.

Ambas as partes têm anunciado quase diariamente sucessos das suas forças de combate, mas as informações não podem ser verificadas de imediato de forma independente.

PNG // APN

By Impala News / Lusa

Impala Instagram


RELACIONADOS