Rússia diz que cabe a Kiev e ao Ocidente resolver a crise alimentar global

A Rússia disse hoje apenas Kiev e o Ocidente podem agir para permitir as exportações de cereais ucranianos e russos, bloqueados desde o início da invasão russa da Ucrânia e que aumentam o risco de uma crise alimentar global.

Rússia diz que cabe a Kiev e ao Ocidente resolver a crise alimentar global

Rússia diz que cabe a Kiev e ao Ocidente resolver a crise alimentar global

A Rússia disse hoje apenas Kiev e o Ocidente podem agir para permitir as exportações de cereais ucranianos e russos, bloqueados desde o início da invasão russa da Ucrânia e que aumentam o risco de uma crise alimentar global.

“Os países ocidentais, que criaram uma tonelada de problemas ao fechar os seus portos para navios russos, cortando cadeias logísticas e financeiras, precisam de pensar muito sobre o que é mais importante”, realçou o ministro dos Negócios Estrangeiros russo, Sergei Lavrov, numa referência às sanções contra Moscovo.

Para o governante russo, o Ocidente pode “divulgar a questão da segurança alimentar” ou “resolver esse problema com medidas concretas”.

“A bola está do lado deles”, salientou Lavrov, durante uma visita ao Bahrein.

Sergei Lavrov pediu ainda à Ucrânia, que enfrenta a invasão russa há três meses, para desminar as suas águas territoriais à volta dos seus portos, para permitir que navios carregados de cereais passem pelo mar Negro.

“Se o problema da desminagem for resolvido (…), as forças navais russas garantirão a passagem desimpedida desses navios para o mar Mediterrâneo e depois para os seus destinos”, assegurou Lavrov.

O conflito na Ucrânia perturbou o equilíbrio alimentar global e está a levantar temores de uma crise que afetará em particular os países mais pobres.

A Ucrânia, grande exportadora de cereais, especialmente milho e trigo, tem a sua produção bloqueada devido aos combates.

Por sua vez, a Rússia, outra potência neste setor, não pode vender a sua produção e os seus fertilizantes por causa das sanções ocidentais que afetam os setores financeiro e logístico. Os dois países produzem um terço do trigo do mundo.

Na segunda-feira, o Presidente russo, Vladimir Putin, garantiu que está preparado para trabalhar com a Turquia para garantir o movimento de mercadorias no mar Negro, incluindo os cereais da Ucrânia.

Já a ONU descreveu hoje como “construtivas” as conversas mantidas na segunda-feira com o governo russo para tentar facilitar as exportações de alimentos e fertilizantes do país.

A secretária-geral da Conferência das Nações Unidas para o Comércio e o Desenvolvimento (UNCTAD), Rebeca Grynspan, reuniu-se na segunda-feira em Moscovo com o vice-primeiro-ministro russo, Andréi Belousov, e esta terça-feira viajou a Washington para manter reuniões com autoridades norte-americanas, divulgou hoje o organismo.

“O objetivo das negociações, como dissemos, está focado em facilitar os cereais e fertilizantes russos aos mercados globais para responder à crescente insegurança alimentar”, explicou o porta-voz Stéphane Dujarric.

A responsável da UNCTAD assumiu a liderança nesta matéria em nome do secretário-geral da ONU, António Guterres, que há semanas que tenta promover um acordo mais amplo que inclua também alimentos ucranianos, básicos para alguns dos países mais pobres no mundo, onde o problema da fome está se tornando mais complicado.

De acordo com várias estimativas, a Ucrânia tem nos seus silos cerca de 22 milhões de toneladas de cereais que não pode levar para fora do país como resultado do conflito, já que a Rússia bloqueia o mar Negro e os portos ucranianos foram minados para impedir o desembarque das forças russas.

O ministro dos Negócios Estrangeiros russo seguiu hoje para Riade, capital da Arábia Saudita, para um encontro com o homólogo saudita, o príncipe Faisal bin Farhan, e o chefe da Organização de Cooperação Islâmica, com sede no reino, revelou a sua porta-voz, Maria Zakharova.

Lavrov deve encontrar-se com os ministros dos Negócios Estrangeiros do Conselho de Cooperação do Golfo (GCC) na quarta-feira.

A organização, com sede em Riade, inclui membros-chave da aliança petrolífera OPEP+, a Organização dos Países Exportadores de Petróleo (OPEP) juntamente com a aliança que este grupo assinou em 2021 com dez produtores externos, incluindo a Rússia.

Apesar da pressão de Washington, que quer um aumento na produção de petróleo para acalmar os preços da energia, a Arábia Saudita e os Emirados Árabes Unidos mostraram o seu compromisso para com a OPEP+, distanciando-se do seu parceiro tradicional, os Estados Unidos.

A Rússia lançou, em 24 de fevereiro, uma ofensiva militar na Ucrânia que já matou mais de quatro mil civis, segundo a ONU, que alerta para a probabilidade de o número real ser muito maior.

A guerra causou a fuga de mais de oito milhões de pessoas, das quais mais de 6,8 milhões para fora do país, de acordo com os mais recentes dados da ONU.

A invasão russa foi condenada pela generalidade da comunidade internacional, que respondeu com o envio de armamento para a Ucrânia e o reforço de sanções económicas e políticas a Moscovo.

 

DMC // RBF

By Impala News / Lusa

Impala Instagram


RELACIONADOS