Rússia condenada por “incumprimento” em inquérito sobre assassínio de ativista dos direitos humanos

O Tribunal Europeu dos Direitos Humanos (TEDH) condenou hoje a Rússia por “ausência de inquérito adequado” sobre o assassínio de Natalia Estemirova, uma ativista que denunciou crimes cometidos por membros das forças da ordem na Chechénia.

Rússia condenada por

Rússia condenada por “incumprimento” em inquérito sobre assassínio de ativista dos direitos humanos

O Tribunal Europeu dos Direitos Humanos (TEDH) condenou hoje a Rússia por “ausência de inquérito adequado” sobre o assassínio de Natalia Estemirova, uma ativista que denunciou crimes cometidos por membros das forças da ordem na Chechénia.

A jovem, envolvida com a organização não-governamental (ONG) russa Memorial e colaboradora do jornal Novaïa Gazeta, foi sequestrada e encontrada morta com um tiro na cabeça e outro no peito, a 15 de julho de 2009.

Até hoje, ninguém foi julgado pelo assassínio de Natalia Estemirova. As autoridades russas, que apontam o ativista checheno Alkhazur Bashaev como o principal suspeito, nunca conseguiram prendê-lo.

O TEDH, ao qual a irmã da vítima recorreu, considera que as autoridades russas “abriram o inquérito rapidamente e procederam aos atos de investigação nos dias que se seguiram ao crime”.

“Um suspeito foi identificado e formalmente acusado”, observa igualmente o tribunal.

No entanto, os magistrados europeus indicam que “algumas contradições nos testemunhos de especialistas não foram resolvidas” e sublinham que “os investigadores não explicaram por que é que nenhum vestígio do ADN da pessoa acusada do assassínio [ou] de pessoas pertencentes ao seu grupo armado ilegal foi encontrado”.

Revelam igualmente que o Governo russo “não forneceu a maior parte dos documentos do caso”.

O TEDH condenou, então, a Rússia por “ausência de inquérito adequado” e por violação da sua “obrigação de fornecer os meios necessários à análise de um caso”, impondo-lhe o pagamento de 20.000 euros à irmã da vítima por “danos morais”.

Paralelamente, o tribunal considerou também que os elementos de prova que lhe foram trazidos pela irmã da vítima não permitiram concluir o envolvimento do Estado russo no assassínio.

Num comunicado do European Human Rights Advocacy Centre, Lana Estemirova, a filha da vítima, declarou-se “feliz por o Tribunal ter concluído que não houve um inquérito adequado”, mas considerou a “sentença muito dececionante”.

“Foi uma situação inextricável, porque o Tribunal concluiu que não havia provas suficientes da cumplicidade das autoridades russas no assassínio da minha mãe, mas as próprias autoridades russas não apresentaram elementos suficientes ao Tribunal”, lamentou, acrescentando: “Não é forma de tomar uma decisão justa”.

No seu portal da Internet, a organização não-governamental (ONG) de defesa dos direitos humanos Memorial lamentou que o TEDH “não tenha reconhecido a responsabilidade das autoridades na morte de Natalia Estemirova”.

ANC // EL

By Impala News / Lusa

Impala Instagram


RELACIONADOS