Rússia admite bombardeios de sábado sem mencionar ataque a prédio de Dnipro

A Rússia admitiu hoje que atingiu no sábado o sistema de comando e controlo militar e instalações energéticas da Ucrânia, sem mencionar o míssil que atingiu um prédio em Dnipro e que matou pelo menos 21 civis.

Rússia admite bombardeios de sábado sem mencionar ataque a prédio de Dnipro

Rússia admite bombardeios de sábado sem mencionar ataque a prédio de Dnipro

A Rússia admitiu hoje que atingiu no sábado o sistema de comando e controlo militar e instalações energéticas da Ucrânia, sem mencionar o míssil que atingiu um prédio em Dnipro e que matou pelo menos 21 civis.

“Em 14 de janeiro, um ataque com mísseis foi realizado contra o sistema de comando e controlo militar da Ucrânia e instalações de energia. Todos os objetos designados foram atingidos. O alvo foi atingido”, disse o porta-voz do Ministério da Defesa russo, Igor Konashenkov, no relatório diário de guerra.

A onda de ataques russos no sábado em várias regiões da Ucrânia provocou pelo menos 26 mortos e 81 feridos, informou hoje o vice-chefe do gabinete do Presidente ucraniano, Kyrylo Tymoshenko.

Numa mensagem no Telegram, citada pela agência Ukrinform, o responsável precisou que, segundo as administrações militares regionais, na região de Dnipropetrovsk houve 21 mortos e 74 feridos; em Donetsk, cinco mortos e quatro feridos; em Sumy, um ferido e, em Kherson, dois feridos.

O Estado-Maior das Forças Armadas da Ucrânia informou que as forças russas lançaram três ataques aéreos e 57 ataques com mísseis no sábado e também abriram fogo com múltiplos sistemas de lançamento de foguetes em 69 ocasiões, especificamente contra a infraestrutura civil.

Os ataques russos foram realizados pouco depois de o primeiro-ministro britânico, Rishi Sunak, ter telefonado ao seu homólogo ucraniano, Volodymyr Zelensky, para lhe anunciar que o Reino Unido será a primeira potência ocidental a enviar tanques de primeira linha para Kiev.

Isto apesar dos receios, no seio da NATO (sigla original da Organização do Tratado Atlântico Norte), de que esta decisão possa ser considerada pela Rússia como uma escalada da guerra.

O Ministério da Defesa russo garantiu também hoje que o país avançou na periferia norte da cidade ucraniana de Bakhmut, situada na região leste de Donetsk, e na estação ferroviária de Sol, a oeste da cidade de Soledar, localidades que Moscovo deu como conquistadas na noite de quinta-feira.

No relatório diário de guerra, a tutela indicou que, em Donetsk, as tropas russas “continuam com sucesso na direção da periferia norte da cidade de Artemovsk (Bakhmut) da República Popular de Donetsk e na estação de comboios de Sol”.

O porta-voz Igor Konashenkov disse que mais de 80 soldados ucranianos, dois tanques, três veículos blindados de combate e três carros foram destruídos nesta frente nas últimas 24 horas.

A Rússia garante que a captura de Soledar, que a Ucrânia ainda nega, permitirá cortar as rotas de abastecimento das tropas ucranianas na vizinha Bakhmut e cercar as forças de Kiev naquela cidade.

A Rússia tenta sem sucesso há meses tomar Bakhmut, localizada a cerca de 60 e 45 quilómetros a sudeste das fortalezas ucranianas de Kramatorsk e Sloviansk, respetivamente.

A ofensiva militar lançada pela Rússia contra a Ucrânia em 24 de fevereiro de 2022 foi condenada pela generalidade da comunidade internacional, que tem respondido com envio de armamento para a Ucrânia e sanções políticas e económicas a Moscovo.

A invasão russa causou, até agora, a fuga de mais de 14 milhões de pessoas — 6,5 milhões de deslocados internos e mais de 7,9 milhões para países europeus –, de acordo com os mais recentes dados das Nações Unidas, que classificam esta crise de refugiados como a pior na Europa desde a II Guerra Mundial (1939-1945).

As Nações Unidas consideram confirmados 6.952 civis mortos e 11.144 feridos, sublinhando que estes números estão muito aquém dos reais.

CMP // ROC

By Impala News / Lusa

Impala Instagram


RELACIONADOS