Rio quer participação popular alargada para transformar PSD “por dentro”

O presidente do PSD pediu uma participação alargada de militantes e simpatizantes social-democratas, mas também de independentes, para transformar “por dentro” o funcionamento do partido.

Rio quer participação popular alargada para transformar PSD

Rio quer participação popular alargada para transformar PSD “por dentro”

O presidente do PSD pediu uma participação alargada de militantes e simpatizantes social-democratas, mas também de independentes, para transformar “por dentro” o funcionamento do partido.

Figueira da Foz, Coimbra, 03 jul 2021 (Lusa) — O presidente do PSD, Rui Rio, pediu hoje uma participação alargada de militantes e simpatizantes social-democratas, mas também de independentes, sustentada em fóruns estratégicos distritais, para transformar “por dentro” o modo de funcionamento do partido.

Intervindo, na Figueira da Foz, na sessão de abertura do 1º fórum do Conselho Estratégico de Coimbra do PSD, o líder social-democrata defendeu um modelo que preconiza “aumentar a participação política dos portugueses”, militantes do PSD ou independentes, para conseguir “uma transformação no modo de funcionamento dos partidos políticos”.

O modelo defendido por Rui Rio parte do Conselho Estratégico Nacional (CEN) do PSD – organismo que inclui 15 secções em áreas como a saúde, educação, economia, defesa nacional ou negócios estrangeiros, entre outras — e que inclui um gabinete de estudos que quer “estar em funcionamento pleno, produzindo ideias para alimentar a politica quotidiana do partido e depois, mais à frente, sendo necessário, o programa eleitoral”.

Um segundo objetivo desse modelo, que classificou de “muito relevante”, é a “disseminação territorial” do CEN, ou seja, que os cerca de 50 participantes na estrutura central se multipliquem em “centenas, preferencialmente milhares de pessoas, pelo país fora”.

“Se nós conseguimos que, à escala distrital, o Conselho Estratégico Nacional tenha muitos participantes, militantes e independentes, estamos a pôr a atividade partidária, distrito a distrito, em torno de ideias, em torno daquilo que a cada um mais interessa”, argumentou o líder social-democrata.

“E isso é obviamente muito melhor, e eu já estou a ser suave ao dizer ‘muito melhor’, do que aquela vida partidária que nós conhecemos de andar a pagar quotas uns aos outros, procurar ver se este vota naquilo e outro vota noutro ou zangarem-se todos por causa de lugares que nem sabem, às vezes, para quer que querem ir para esses mesmos lugares”, ilustrou.

Para Rui Rio, uma “marca forte” da vida partidária atual é a sua degradação.

“E daí, também, o afastamento dos portugueses relativamente aos partidos políticos, que são absolutamente indispensáveis no regime em que vivemos”, disse.

Deste modo, Rui Rio quer chamar à participação pública, política e partidária “pessoas que estão afastadas e que vêm ajudar a credibilizar e arranjar uma outra dinâmica” ao PSD.

“Confiro uma importância enorme ao Conselho Estratégico Nacional, seja pelo lado da construção das melhores ideias, e as melhores ideias constroem-se com muita gente, não é com pouca gente. Penso que para o país é muito importante que um partido como o PSD tenha um programa muito sustentado e apoiado, com base numa participação muito alargada”, aduziu.

“E por outro lado, essa participação alargada significa, ela própria, uma nova forma de um partido político fazer política”, enfatizou.

Caso o modelo defendido pela direção social-democrata tenha êxito, Rui Rio não tem “a mínima dúvida” de que outros partidos (designadamente o PS), não terão “outro remédio que não seja copiar o modelo ou fazer um modelo parecido com este”.

“Porque não é sustentável haver um partido a nível nacional que possa funcionar desta forma e todos os outros se manterem naquilo que é o patamar atual que hoje se conhece”, sustentou.

Na sua intervenção, Rio lembrou que “uma das razões” pela qual se decidiu candidatar à liderança do PSD foi precisamente para “procurar transformar a forma como os partidos funcionam em Portugal”.

“Neste caso o meu, não tenho nada a ver com os outros”, rematou.

JLS // PJA

By Impala News / Lusa

Impala Instagram


RELACIONADOS