Revisores e trabalhadores das bilheteiras da CP convocam greve para 20 e 21 de maio

Os revisores, trabalhadores de bilheteiras e outros funcionários da CP entregaram um pré-aviso de greve para 20 e 21 de maio, disse o Sindicato Ferroviário da Revisão Comercial Itinerante.

Revisores e trabalhadores das bilheteiras da CP convocam greve para 20 e 21 de maio

Revisores e trabalhadores das bilheteiras da CP convocam greve para 20 e 21 de maio

Os revisores, trabalhadores de bilheteiras e outros funcionários da CP entregaram um pré-aviso de greve para 20 e 21 de maio, disse o Sindicato Ferroviário da Revisão Comercial Itinerante.

Os revisores, trabalhadores de bilheteiras e outros funcionários da CP entregaram um pré-aviso de greve para os dias 20 e 21 de maio, revelou hoje à Lusa o presidente do Sindicato Ferroviário da Revisão Comercial Itinerante (SFRCI).

Luís Bravo adianta que a paralisação nacional foi convocada para protestar contra o “incumprimento de dois acordos que o Governo fez com este sindicato, o primeiro em setembro de 2017 que visava recrutar 88 trabalhadores para a área comercial e que ainda não está concretizado”.

A outra promessa que o SFRCI diz ter falhado é “a negociação do acordo coletivo de trabalho, que tem 20 anos, e que deveria ter sido finalizado até 30 de setembro. Só amanhã [terça-feira] é que vai ter a primeira a reunião de negociação”, lamenta o dirigente sindical.

Luís Bravo diz que o sindicato está disponível para negociar e lembrou que “tudo fez e permitiu até que o novo ministro das Infraestruturas e Habitação [Pedro Nuno Santos] e o secretário de Estado tivessem tempo para tomarem conhecimento dos dossiers e dos acordos que estavam em incumprimento”.

No entanto, considera a estrutura sindical, “não se tendo verificado nenhuns desenvolvimentos decidimos agora avançar com o pré-aviso de greve. Não se compreende que não se honrem os compromissos por escrito feitos pelo anterior ministro das Infraestruturas [Pedro Marques]”.

Luís Bravo diz ainda que o sindicato não aceita que as culpas sejam colocadas no ministro das Finanças, porque o sindicato entende “que o Governo é um todo e é tempo de os acordos serem executados”.

De acordo com o dirigente, tudo foi feito “para evitar a greve e os constrangimentos aos utentes. Em setembro de 2017 foi acordado um recrutamento mínimo, dos 88 trabalhadores, e a CP precisa de muito mais, de perto de 200, e, no entanto, nem sequer esses 88 são desbloqueados”, lamentou Luís Bravo.

O presidente do SFRCI alerta ainda para o facto de haver “locais em que os trabalhadores laboram continuamente nas suas folgas, já excederam o limite máximo de horas por ano e o Governo não atua nem permite que haja recrutamento. Está a ser posta em causa a segurança da circulação por falta de revisores e a sustentabilidade da CP, por falta de cobrança e bilheteiras que vão encerrando”, acusa. A greve abrange perto de mil trabalhadores.

LEIA MAIS

Previsão do tempo para terça-feira, 30 de abril

 

 

Impala Instagram


RELACIONADOS