Reino Unido congelou mais de 20.000 milhões de euros à Rússia

As sanções do Reino Unido à Rússia resultaram no congelamento de mais de 18.000 milhões de libras (20.600 milhões de euros), anunciou hoje o Governo britânico. 

Reino Unido congelou mais de 20.000 milhões de euros à Rússia

Reino Unido congelou mais de 20.000 milhões de euros à Rússia

As sanções do Reino Unido à Rússia resultaram no congelamento de mais de 18.000 milhões de libras (20.600 milhões de euros), anunciou hoje o Governo britânico. 

De acordo com os cálculos do Gabinete de Implementação de Sanções Financeiras (OFSI), o total de ativos russos congelados ascende a 18.390 milhões de libras. 

Até agora, o Reino Unido aplicou sanções financeiras a mais de 1.200 indivíduos, mais de 120 entidades, incluindo 19 bancos russos e mais de 120 oligarcas, o que Londres acredita estar a debilitar a capacidade militar russa. 

O Executivo britânico proibiu também a exportação de bens e serviços, o que está a ter impacto na reparação e fabrico de armas. 

“Semicondutores vitais estão agora a ser retirados de frigoríficos e equipamento da era soviética está a ser enviado para a linha da frente”, refere um comunicado do Ministério das Finanças.

As sanções internacionais deverão contribuir para uma contração de 6,2% do Produto Interno Bruto (PIB) em 2022 e de 2,3% em 2023, adianta, resultado de uma quebra acentuada das exportações e importações e imobilização de 60% das reservas de divisas. 

“O relatório de hoje mostra a dimensão das sanções do Reino Unido”, vincou a secretária de Estado dos Negócios Estrangeiros, Anne-Marie Trevelyan, prometendo continuar a aumentar as sanções “para exercer a máxima pressão económica sobre o regime russo até que a Ucrânia triunfe”.

A Rússia lançou uma ofensiva militar a 24 de fevereiro na Ucrânia que foi condenada pela generalidade da comunidade internacional, a qual respondeu com envio de armamento para a Ucrânia e imposição à Rússia de sanções políticas e económicas.

A guerra já causou a fuga de mais de 13 milhões de pessoas — mais de seis milhões de deslocados internos e mais de 7,8 milhões para países europeus -, de acordo com os mais recentes dados da ONU.

A ONU apresentou como confirmados desde o início da guerra 6.490 civis mortos e 9.972 feridos, sublinhando que estes números estão muito aquém dos reais.

BM // APN

By Impala News / Lusa

Impala Instagram


RELACIONADOS