Quase 7.000 migrantes resgatados desde janeiro na Líbia – Marinha

A marinha líbia anunciou hoje que resgatou desde janeiro quase 7.000 migrantes ao largo da costa oeste da Líbia, enquanto tentavam atravessar o Mediterrâneo, um número que diminuiu quase 43% em relação a 2018.

Quase 7.000 migrantes resgatados desde janeiro na Líbia - Marinha

Quase 7.000 migrantes resgatados desde janeiro na Líbia – Marinha

A marinha líbia anunciou hoje que resgatou desde janeiro quase 7.000 migrantes ao largo da costa oeste da Líbia, enquanto tentavam atravessar o Mediterrâneo, um número que diminuiu quase 43% em relação a 2018.

“As patrulhas da Guarda Costeira conseguiram resgatar 6.835 migrantes de diferentes nacionalidades nos últimos nove meses”, indicou o general Ayoub Kacem, porta-voz da marinha, à agência de notícias France-Presse.

O número de migrantes resgatados “diminuiu 42,8% em relação a 2018 durante o mesmo período”, explicou Kacem.

Desde o início de janeiro, 88 corpos de migrantes também foram recuperados, um valor abaixo de 87% em relação a 2018, segundo Kacem, que também observou uma diminuição no número de migrantes desaparecidos no mar (190 em 2019 contra 325 em 2018).

Para o porta-voz da marinha, estes números “destacam os esforços consideráveis feitos pela Guarda Costeira” da Líbia, que contribuiu para essa “diminuição significativa” do número de pessoas afogadas ou desaparecidas nas zonas de busca e salvamento e nas águas territoriais líbias.

Em Itália e Malta, a tendência também é baixa.

De acordo com o Ministério do Interior italiano, foram registadas 7.900 chegadas nestes dois países desde o início do ano, face às 181.000 em 2016.

A diminuição deve-se principalmente ao encerramento durante 15 meses, a partir de junho de 2018, de portos italianos a embarcações humanitárias.

O caos que se seguiu à queda do regime de Kadhafi em 2011, fez da Líbia a rota preferencial para migrantes da África Oriental, Sahel e Médio Oriente, que procuram alcançar a Europa.

Segundo a agência das Nações Unidas para os Refugiados (ACNUR), vários milhares de migrantes estão retidos na Líbia, em condições deploráveis.

A situação destes migrantes tornou-se ainda mais crítica desde o desencadear no início de abril de um conflito armado ao sul da capital Tripoli.

O agravamento ocorreu depois das forças lideradas pelo marechal Khalifa Haftar, o homem forte da fação que controla o leste da Líbia e que disputa o poder, terem iniciado em 04 de abril uma ofensiva contra Tripoli, onde está o Governo de Acordo Nacional, estabelecido em 2015 e reconhecido pela comunidade internacional (incluindo pelas Nações Unidas).

SYSC // EL

By Impala News / Lusa

Impala Instagram


RELACIONADOS