Putin na Bielorrúsia para conversações com aliado Lukashenko

O Presidente russo, Vladimir Putin, está hoje em Minsk para conversações com o seu homólogo da Bielorrússia, Alexander Lukashenko, aliado do Kremlin na guerra com a Ucrânia que teme ataques concertados entre ambos.

Putin na Bielorrúsia para conversações com aliado Lukashenko

Putin na Bielorrúsia para conversações com aliado Lukashenko

O Presidente russo, Vladimir Putin, está hoje em Minsk para conversações com o seu homólogo da Bielorrússia, Alexander Lukashenko, aliado do Kremlin na guerra com a Ucrânia que teme ataques concertados entre ambos.

Esta cimeira entre os dois chefes de Estado surge numa altura em que as autoridades ucranianas dizem temer a possibilidade de uma nova ofensiva russa sobre Kiev, nos primeiros meses de 2023, que seria lançada a partir de território bielorrusso, repetindo o cenário do início da invasão, em 24 de fevereiro.

Embora as tropas de Minsk não participem diretamente na guerra lançada por Moscovo, os militares russos têm usado o território bielorrusso para bombardear a vizinha Ucrânia, acusou por diversas vezes Kiev.

A somar às preocupações, os militares russos anunciaram hoje que iriam participar em manobras “táticas” na Bielorrússia, após o anúncio, em outubro, da formação de uma força conjunta de vários milhares de homens.

O porta-voz do Kremlin, Dmitry Peskov, negou, no entanto, que Putin tenha ido à Bielorrússia para convencer Minsk a participar diretamente no conflito na Ucrânia, apelidando as alegações por parte de Kiev de “estúpidas” e “infundadas”.

A televisão estatal russa mostrou Putin a sair do avião e a ser calorosamente recebido pelo seu homólogo na pista do aeroporto de Minsk.

A viagem de Vladimir Putin à Bielorrússia é a sua primeira viagem ao país em três anos, mas Lukashenko visita regularmente a Rússia, nomeadamente para avançar com o projeto de uma união mais profunda entre os dois Estados.

O encontro ocorre depois de a Ucrânia ter sofrido na noite de domingo para hoje um novo ataque, com o disparo pelas forças russas sobre o território ucraniano, incluindo Kiev, de mais de trinta ‘drones’ (aeronaves não tripuladas) de fabrico iraniano, de acordo com as autoridades ucranianas,

As autoridades locais informaram que “várias instalações e casas” ficaram “danificadas” e pelo menos três pessoas ficaram feridas.

A empresa nacional responsável pelo sistema de abastecimento de energia, Ukrenergo, adiantou que foram registados cortes de energia em Kiev e em 10 regiões e que a situação é “difícil” na rede após estes ataques.

Perante uma série de contratempos militares neste outono, a Rússia optou em outubro por uma tática de bombardeamento visando destruir redes de eletricidade e água, mergulhando milhões de ucranianos no frio e na escuridão.

Moscovo, por seu lado, afirmou ter abatido sobre o seu território quatro mísseis anti-radar de fabrico norte-americano, mais precisamente a região de Belgorod, na fronteira com a Ucrânia, uma área regularmente alvo das forças ucranianas.

ANP // PDF

By Impala News / Lusa

Impala Instagram


RELACIONADOS