PSOE espera que PS português corrija posição infeliz de membros na Assembleia de Lisboa

O Partido Socialista Operário Espanhol (PSOE) espera que o PS português “corrija” a posição “infeliz” dos seus membros na Assembleia Municipal de Lisboa que apoiaram uma moção de denúncia à situação de “repressão” na Catalunha.

PSOE espera que PS português corrija posição infeliz  de membros na Assembleia de Lisboa

PSOE espera que PS português corrija posição infeliz de membros na Assembleia de Lisboa

O Partido Socialista Operário Espanhol (PSOE) espera que o PS português “corrija” a posição “infeliz” dos seus membros na Assembleia Municipal de Lisboa que apoiaram uma moção de denúncia à situação de “repressão” na Catalunha.

“Esperamos que [os socialistas portugueses] atendam ao nosso pedido e que tomem as medidas e corrijam esta deriva de declarações”, disse à agência Lusa o secretário-executivo responsável pelas Relações Internacionais do PSOE, Héctor Gómez.

Uma declaração com a posição dos socialistas espanhóis foi enviada hoje ao presidente da Câmara Municipal de Lisboa, o socialista Fernando Medina, e ao responsável pelas Relações Internacionais do PS, Francisco André.

Uma moção aprovada na quinta-feira na Assembleia Municipal de Lisboa com os votos do PS, critica “a repressão do povo catalão” e exige a liberdade dos “presos políticos”, em alusão a 12 políticos condenados no julgamento dos responsáveis catalães envolvidos na tentativa de independência da Catalunha em 2017.

Para Héctor Gómez a posição “muito infeliz” dos membros do PS “não ajuda” à estabilidade institucional em Espanha e apenas “dá alento a uma minoria na Catalunha que não respeita a vontade do povo catalão no sentido da convivência pacífica”.

“Surpreendeu-nos esta posição” aprovada na Assembleia Municipal, que é “muito diferente” da do Governo do PS, um “partido irmão”, disse o responsável pelas Relações Internacionais do PSOE, acrescentando compreender que o texto foi aprovado num contexto local e não nacional.

Héctor Gómez explicou que o PSOE respeita “a Constituição espanhola e as leis”, assim como a divisão entre os poderes, sendo “firme defensor da independência do poder judicial” que decidiu condenar os políticos responsáveis pela tentativa de autodeterminação da Catalunha.

“A posição da Assembleia Municipal foi utilizada por minorias catalãs para matizar a total ausência de apoios internacionais” que têm os independentistas, lamentou o responsável socialista espanhol.

A moção foi aprovada em Lisboa numa altura em que o Governo socialista espanhol realiza uma intensa campanha internacional para combater o que considera ser a propaganda independentista no estrangeiro.

O executivo espanhol tem utilizado todos os meios possíveis para explicar no exterior que os líderes da tentativa de autodeterminação na Catalunha não estão presos pelas suas ideias políticas, mas por terem posto em marcha um processo para declarar a independência de uma região espanhola, violando a Constituição do país.

“As nossas relações com o PS português são excelentes e esperamos que esta infeliz declaração seja matizada [colocada em contexto] e corrigida”, repetiu Héctor Gómez.

Antes da posição assumida pelo PSOE, a Câmara Municipal de Lisboa emitiu um comunicado em que “esclarece que apenas as decisões tomadas em sede de reunião de vereadores vinculam a Câmara Municipal de Lisboa, e que nenhuma deliberação foi tomada, ou será aprovada, com esse teor”.

“A posição da Câmara Municipal de Lisboa é a este respeito inequívoca: total respeito pela soberania do estado espanhol, da sua constituição, das suas leis e do funcionamento das suas instituições”, segundo o mesmo comunicado.

FPB // ACL

By Impala News / Lusa

Impala Instagram


RELACIONADOS