PSD: Rangel defende “reforço da concertação social” e acusa Governo de a “destruir e ignorar”

O candidato à liderança do PSD Paulo Rangel defendeu hoje o “reforço da concertação social” e acusou o atual Governo de a “destruir” e “ignorar” nos últimos seis anos.

PSD: Rangel defende

PSD: Rangel defende “reforço da concertação social” e acusa Governo de a “destruir e ignorar”

O candidato à liderança do PSD Paulo Rangel defendeu hoje o “reforço da concertação social” e acusou o atual Governo de a “destruir” e “ignorar” nos últimos seis anos.

“Com o PSD no Governo, nós vamos reforçar a concertação social: Portugal só cresceu a sério quando os parceiros sociais fizeram acordo e, portanto, é preciso pôr as entidades patronais e sindicais a uma mesa e valorizar isso”, declarou Paulo Rangel aos jornalistas no final de uma reunião de mais de hora e meia com a CIP (Confederação Empresarial de Portugal), na sede desta, em Lisboa.

Para o eurodeputado, “este Governo, nestes seis anos, e em particular nos últimos dois, praticamente destruiu, ignorou a concertação social”.

“Isto depois não cria o ambiente de paz social, o clima de estabilidade social nas empresas para elas poderem crescer. Também aqui há uma mudança de atitude que é necessária”, sustentou.

Entre as medidas defendidas pelo candidato à liderança social-democrata — disputada em diretas este sábado, dia 27 — está a redução do IRC.

“Temos que vir para números que venham para baixo dos 20% e temos que fazer majorações: por exemplo, as empresas que não distribuírem dividendos e reinvistam os seus lucros, essas empresas naturalmente devem ter uma majoração”, exemplificou.

O eurodeputado considerou que hoje existe “uma carga fiscal máxima” e “serviços públicos mínimos”, apontando para um “colapso na saúde” com as recentes demissões em serviços de urgência ou na vacinação que “derrapou” com a saída do almirante Gouveia e Melo da coordenação da ‘task force’.

“O Governo não consegue sequer gerir os serviços públicos essenciais. É preciso uma alternativa, e o PSD é essa alternativa”, sublinhou.

Além do IRC, Rangel defendeu ainda uma “aceleração da formação profissional”, matéria que disse ter abordado nesta reunião, e insistiu na importância de aproveitar o Plano de Recuperação e Resiliência (PRR) para “promover a digitalização em alguns serviços públicos essenciais, como forma de aliviar custos de contextos das empresas”.

“Sabendo nós que vamos ter mais ou menos entre seis mil a sete mil milhões de euros por ano para despender com fundos europeus até 2030, quando a média portuguesa – e não executávamos todos – era três mil milhões, nós temos que terminar com esta burocracia do Estado”, acrescentou.

Insistindo que “o voto no PS hoje é inútil” e se “esgotou”, Rangel advogou que o PSD tem que ser uma “alternativa clara, credível e responsável para modernizar o país”.

Mais de 46.000 militantes do PSD vão poder votar, no próximo sábado, nas eleições diretas para escolher o presidente do partido. São candidatos o atual líder, Rui Rio (que já divulgou no domingo a sua moção de estratégia, intitulada “Governar Portugal”) e o eurodeputado Paulo Rangel que apresentou esta segunda-feira a sua moção “Portugal: Ambição e Esperança”.

ARYL (SMA) // JPS

By Impala News / Lusa

Impala Instagram


RELACIONADOS