PS vence eleições sem maioria absoluta, direita tem derrota histórica em AR com 10 forças

O PS terá de tentar a repetição de uma solução de Governo à esquerda, numa eleição marcada pela derrota histórica da direita e pela entrada de três novos partidos no parlamento.

PS vence eleições sem maioria absoluta, direita tem derrota histórica em AR com 10 forças

PS vence eleições sem maioria absoluta, direita tem derrota histórica em AR com 10 forças

O PS terá de tentar a repetição de uma solução de Governo à esquerda, numa eleição marcada pela derrota histórica da direita e pela entrada de três novos partidos no parlamento.

Com 36,6% dos votos, o PS de António Costa vê legitimada a governação, mas com 106 deputados – quando falta apurar os resultados para eleger quatro mandatos no estrangeiro – fica obrigado a tentar nova solução de Governo à esquerda, que poderá ser alargada ao PAN e ao Livre, que elegeu pela primeira vez uma deputada (Joacine Katar Moreira).

A noite eleitoral trouxe um sabor amargo ao CDS, que com 4,2% fica reduzido a cinco deputados na Assembleia da República e perde a sua líder, Assunção Cristas, que decidiu não se recandidatar num Congresso a ser convocado pelo Conselho Nacional.

O PSD de Rui Rio tem também um dos seus piores resultados, mas face às expectativas criadas a derrota acabou por ter um sabor agradável, não se tendo ouvido uma voz a exigir a ‘cabeça’ do líder. Os sociais-democratas alcançaram 27,9% e 77 deputados, o pior resultado percentual deste século em legislativas.

A entrada de três novas forças políticas para o parlamento e a subida do PAN marcaram também a noite das legislativas. O Livre, o Iniciativa Liberal e o Chega conseguem cada um o seu deputado no hemiciclo de S. Bento, que pela primeira vez acolhe um deputado conotado com a extrema-direita, André ventura, o líder deste terceiro partido.

A CDU recua para 6,4% e perde cinco deputados, vendo ao mesmo tempo o Bloco de Esquerda consolidar-se como a terceira força política, com 19 deputados e 9,6% dos votos, ainda assim um resultado inferior ao das legislativas de 2015.

Dois recordes marcaram esta noite de legislativas: o parlamento conta pela primeira vez com deputados de 10 partidos. Por outro lado, a abstenção atingiu um novo máximo em legislativas 45,5%.

O anúncio da saída de cena de Assunção Cristas e o impulso do atual primeiro-ministro com vista à repetição da solução de governo à esquerda vão conhecer novos desenvolvimentos nos próximos dias.

Costa avisou o BE que quem assumiu como objetivo impedir a maioria absoluta durante a campanha tem agora responsabilidades acrescidas para assegurar uma solução de estabilidade política.

“Quem fixou como objetivo único da sua campanha eleitoral impedir uma maioria absoluta do PS, tem responsabilidades acrescidas de agora contribuir para a estabilidade política nos próximos quatro anos”, declarou António Costa na conferência de imprensa da noite eleitoral dos socialistas, numa alusão aos bloquistas.

Os comunistas, reconhecendo a derrota que representou o recuou da CDU, agendaram uma reunião do Comité Central para terça-feira, dia que o Presidente da República escolheu para ouvir os partidos sobre a próxima solução de Governo.

A vitória mais saborosa da noite foi talvez a do partido Pessoas-Animais-Natureza, de André Silva, que vê triplicado o número de deputados em S. Bento e consegue o tão desejado grupo parlamentar.

JPS // ACL

By Impala News / Lusa

Impala Instagram


RELACIONADOS