PS considera que apelo do PR à convergência significa união em momentos como o Orçamento

O secretário-geral adjunto do Partido Socialista (PS) considerou hoje que o apelo do Presidente da República à ética republicana e à convergência significa colocar o interesse público acima de interesses individuais, como no Orçamento do Estado.

PS considera que apelo do PR à convergência significa união em momentos como o Orçamento

PS considera que apelo do PR à convergência significa união em momentos como o Orçamento

O secretário-geral adjunto do Partido Socialista (PS) considerou hoje que o apelo do Presidente da República à ética republicana e à convergência significa colocar o interesse público acima de interesses individuais, como no Orçamento do Estado.

“O facto de o senhor Presidente da República ter sublinhado por várias vezes a importância de cultivarmos a ética republicana, isso significa colocarmos à frente dos interesses particulares, partidários ou individuais o interesse público, o interesse da República. Ora, é por considerarmos que a aprovação do Orçamento do Estado corresponde a esse interesse público e da República que consideramos que a mensagem do senhor Presidente da República, ao apelar à convergência – naturalmente no respeito pela diversidade, pelo pluralismo político, nas ideias, pela diversidade nas opiniões — para salvaguardar o interesse geral, que é o interesse da República, é bastante relevante”, disse José Luís Carneiro em declarações à Lusa.

O secretário-geral adjunto do PS considerou que a mensagem de Marcelo Rebelo de Sousa foi de “grande responsabilidade e confiança no futuro” ao destacar os sete meses de cooperação entre os portugueses e as instituições e ao falar da importância de todos terem “sentido de responsabilidade nas atitudes individuais e coletivas”.

José Luís Carneiro afirmou que, nesse aspeto, foi sobretudo relevante a mensagem dirigida a quem exerce cargos políticos para estarem preparados para convergir quando está em causa o interesse geral, referindo-se novamente ao momento da aprovação do Orçamento do Estado para 2021.

“Uma mensagem que consideramos relevante é dirigida aos detentores momentâneos da soberania popular nas diferentes funções: o dever que têm de convergir na defesa do interesse geral. E esse interesse geral passa naturalmente, no nosso entendimento, pela aprovação do Orçamento do Estado, pela convergência política e partidária em torno do plano de recuperação económico e social, e pela cooperação entre todos cidadãos e instituições de vencermos a pandemia e recuperarmos económico e socialmente”, disse.

O Presidente da República discursou hoje na cerimónia comemorativa do 110.º aniversário da Implantação da República, no Salão Nobre dos Paços do Concelho, em Lisboa.

Marcelo Rebelo de Sousa apelou à unidade no essencial na resposta à crise provocada pela covid-19, com equilíbrio entre proteção da vida e da saúde e da economia, e sem dramatização a mais nem a menos, defendendo que é preciso “continuar a compatibilizar a diversidade e o pluralismo com a unidade no essencial”.

O Governo minoritário do PS tem negociações em curso com BE, PCP, PEV e PAN para a aprovação do Orçamento do Estado para 2021. A proposta orçamental é entregue no parlamento no dia 12.

A semana passada, Marcelo Rebelo de Sousa fez várias declarações sobre o tema, em que afirmou que considera “muito importante” que haja um Orçamento para o ano que vem, mantendo a estabilidade política.

IM (IEL)// VC

By Impala News / Lusa

Impala Instagram


RELACIONADOS