Protestos antigovernamentais são “expressão máxima de terrorismo” – PR da Serra Leoa

O Presidente da Serra Leoa, Julius Maada Bio, qualificou hoje os protestos antigovernamentais que decorrem há dias em cidades do país como “a expressão máxima do terrorismo”, depois de se terem confirmado pelo menos 20 mortos, incluindo vários polícias.

Protestos antigovernamentais são

Protestos antigovernamentais são “expressão máxima de terrorismo” – PR da Serra Leoa

O Presidente da Serra Leoa, Julius Maada Bio, qualificou hoje os protestos antigovernamentais que decorrem há dias em cidades do país como “a expressão máxima do terrorismo”, depois de se terem confirmado pelo menos 20 mortos, incluindo vários polícias.

“É claro que o que aconteceu definitivamente não foi um protesto, foi o terrorismo no seu melhor. Temos alguns serra-leoneses vivendo na diáspora que na quarta-feira ameaçaram desencadear o terror em Serra Leoa”, disse o Presidente Bio em declarações à BBC África.

Bio, que estava fora do país, de férias com a família no Reino Unido, quando os protestos se iniciaram, considerou haver uma intenção “política” na origem e, embora tenha reconhecido que há “dificuldades” entre os jovens, justificou-se afirmando que o seu Governo tem feito “muito” para resolver os problemas.

O Presidente da Serra Leoa assegurou que a calma voltou a estabelecer-se, um dia depois de o seu vice-presidente, Mohamed Juldeh Jalloh, ter anunciado o recolher obrigatório em todo o país.

Até agora estão contabilizadas cerca de 130 detenções devido aos tumultos ocorridos durante os protestos em várias cidades, especialmente na capital, Freetown.

As manifestações visavam exigir soluções para a crise económica que o país atravessa, além de outros problemas como a corrupção e os excessos policiais.

Entre as exigências dos manifestantes está ainda a renúncia de Julius Maada Bio, que é questionado sobre a sua intenção de concorrer à reeleição nas eleições marcadas para junho de 2023.

EL // JH

By Impala News / Lusa

Impala Instagram


RELACIONADOS