Proibição dos EUA de viagens a Cuba põe em causa quase 800 mil reservas de cruzeiros

A decisão do Governo dos Estados Unidos de proibir viagens culturais e educacionais em grupo a Cuba colocou em causa cerca de 800 mil reservas de cruzeiros, acusa a Associação Internacional de Linhas de Cruzeiros (CLIA).

Proibição dos EUA de viagens a Cuba põe em causa quase 800 mil reservas de cruzeiros

Proibição dos EUA de viagens a Cuba põe em causa quase 800 mil reservas de cruzeiros

A decisão do Governo dos Estados Unidos de proibir viagens culturais e educacionais em grupo a Cuba colocou em causa cerca de 800 mil reservas de cruzeiros, acusa a Associação Internacional de Linhas de Cruzeiros (CLIA).

Na terça-feira, os Estados Unidos impuseram novas sanções contra Cuba proibindo, para além de viagens culturais e educacionais em grupo para a ilha, a exportação de barcos e aviões privados e comerciais.

Hoje, em comunicado, citado pela agência espanhola EFE, a CLIA refere que a proibição que entrou hoje em vigor vai afetar viagens “previamente aprovadas” pelo Governo norte-americano.

No comunicado enviado à EFE, pode ler-se que “sem aviso, os membros da CLIA são obrigados a cancelar imediatamente todos os cruzeiros para Cuba”. A associação contabiliza quase 800 mil reservas para viagens que já estavam programadas ou em curso.

A CLIA lembra ainda que as reservas foram feitas no âmbito de uma licença geral emitida pelo Governo norte-americano, na altura presidido por Barack Obama. Esta licença “autorizava as chamadas viagens “de cidade para cidade” para Cuba”, detalha ainda a associação.

O organismo não revelou qual o impacto financeiro desta medida, mas alerta que, com base nas novas regras, viajar para Cuba num cruzeiro dos Estados Unidos passou a ser “ilegal”.

Do lado das empresas de cruzeiros, apenas se sabe que informaram os clientes que não podem realizar as viagens e que estão a avaliar o impacto da medida, sem adiantarem ainda uma alternativa.

A EFE lembra que o primeiro cruzeiro autorizado a viajar para Cuba a partir de território norte-americano, depois de mais de 50 anos, foi o Adonia, da empresa Fathom, subsidiária da Carnival Cruises.

A viagem aconteceu em 01 de maio de 2016 entre Miami e Havana.

Na terça-feira, Washington, que acusa Havana de ter um “papel desestabilizador” na América Latina, proibiu a exportação de barcos e aviões, segundo um comunicado do Departamento do Tesouro.

A proibição de exportação aplica-se a cruzeiros e barcos pessoais, assim como aviões privados e comerciais.

“Esses atos vão ajudar a manter os dólares norte-americanos fora do alcance dos serviços militares, secretos e de segurança cubanos”, indicou o secretário do Tesouro, Steven Mnuchin, em comunicado.

Essas viagens foram usadas por milhares de cidadãos americanos para visitar a ilha antes de os EUA restabelecerem relações diplomáticas completas com o Governo comunista em dezembro de 2014.

“Cuba continua a ser comunista e os Estados Unidos, sob Governos anteriores, fizeram concessões demais a um de nossos adversários históricos mais agressivos”, salientou o secretário do Comércio, Wilbur Ross, no comunicado.

Os Estados Unidos, que acusam as autoridades cubanas de apoiar os regimes de Nicolás Maduro na Venezuela e Daniel Ortega na Nicarágua, aumentaram em abril a sua lista negra de empresas cubanas que não podem beneficiar de transações financeiras diretas dos EUA, incluindo um ramo do exército cubano dedicado ao turismo, chamado Gaviota.

DYL (SYSC) // MSF

By Impala News / Lusa

Impala Instagram


RELACIONADOS