Primeiro contingente da força de estabilização da CEDEAO já está instalada na Guiné-Bissau

O primeiro contingente dos 631 militares que compõem a Missão de Estabilização e Segurança da Guiné-Bissau da Comunidade Económica da África Ocidental (CEDEAO) chegou na última madrugada a Bissau com 99 militares, disse hoje à Lusa fonte oficial.

Primeiro contingente da força de estabilização da CEDEAO já está instalada na Guiné-Bissau

Primeiro contingente da força de estabilização da CEDEAO já está instalada na Guiné-Bissau

O primeiro contingente dos 631 militares que compõem a Missão de Estabilização e Segurança da Guiné-Bissau da Comunidade Económica da África Ocidental (CEDEAO) chegou na última madrugada a Bissau com 99 militares, disse hoje à Lusa fonte oficial.

Segundo a fonte da direção do Estado-Maior General das Forças Armadas, dos 99 militares, nove deverão regressar ao Senegal, de onde partiu o contingente, por serem motoristas que conduziram os 18 veículos que transportaram os soldados até Bissau.

 O contingente, composto por militares senegaleses, atravessou a fronteira situada na localidade de Mpack, na parte do Senegal, e Djegue, no lado da Guiné-Bissau, para ser recebido por elementos das Forças Armadas guineenses em São Domingos.

Após uma viagem terrestre de cerca de 10 horas, o contingente chegou a Bissau, por volta das 03:00 de hoje, sendo instalado no Clube Militar.

Nos próximos dias, dependendo de “acertos logísticos”, devem chegar a Bissau mais militares que vão integrar a Missão de Estabilização e Segurança da Guiné-Bissau (MSSGB), adiantou a fonte do Estado-Maior das Forças Armadas guineenses.

Além do Senegal, fazem parte da MSSGB, os militares da Nigéria e Togo, num primeiro momento, podendo mais tarde ser reforçada por soldados de outros países da comunidade oeste africana.

Os chefes de Estado e de Governo da CEDEAO decidiram enviar uma missão militar de estabilização para a Guiné-Bissau, em fevereiro, após o ataque contra o Palácio do Governo, enquanto decorria uma reunião do Conselho de Ministros com a presença do chefe de Estado, Umaro Sissoco Embaló, e do primeiro-ministro, Nuno Gomes Nabiam, que o Presidente classificou como uma tentativa de golpe de Estado.

A missão tem um mandato de 12 meses.

 

MB // VM

Lusa/Fim

By Impala News / Lusa

Impala Instagram


RELACIONADOS